O CORPO, O ESPIRITISMO E AS DOENÇAS!

 


Olá amigos e amigas, bem vindos,

Hoje, quando acordei, fiz uma oração de agradecimento e fiquei pensando nessa dádiva: o meu corpo. Me lembrei da célebre afirmação: "mente sã, corpo são". Agradeci a saúde e a possibilidade de mais um dia.


/>


Me recordei da força do pensamento e o quanto ainda o desconhecemos e, por isto, não temos controle das suas possibilidades criadoras. Veio à mente de inopino, um texto do Espírito Irmão X, pela psicografia de Chico Xavier, em Cartas e Crônicas, onde, no Capítulo 4, fala sobre o Treino para a Morte. O nosso Amigo conta que o tormento número 1, partindo do seu ponto de vista, é o CEMITÉRIO QUE TRAZEMOS NA BARRIGA.

Mas, nesta bela comunicação, esse grande espírito também se reporta a outras questões como o abuso do fumo, das bebidas, dos narcóticos e do sexo, entre outros. É fascinante notar como as comunicações dos Espíritos Emmanuel, André Luiz e Humberto de Campos (Irmão X), além de outros, encaixam-se umas às outras, mas, com nuances característicos. Enquanto André Luiz se reporta ao aspecto científico, Humberto de Campos se refere ao aspecto sociológico, sendo que Emmanuel se encarrega do aspecto religioso e filosófico. Cada um por sua vez enfrenta temas diversos com bastante segurança e tranquilidade.

Por isso, não tive como não refletir sobre os Capítulos 34 de 35 da Obra Conduta Espírita ditada por André Luiz ao médium Waldo Vieira em que trata dos mesmos assuntos referidos acima por Irmão X, cujo ditado foi a Chico Xavier. Médiuns e espíritos diferentes, mas, o mesmo tema, mesma preocupação e mesma profundidade (Controle Universal das Comunicações Espíritas?).

Sem dúvida, o corpo é a primeira e a mais importante dádiva que o encarnado recebe de Deus para sua jornada terrena. Perante o Corpo, título do capítulo 34, temos advertências do benfeitor espiritual para o cuidado com a higiene pessoal, cuidado com tóxicos, narcóticos, alcoólicos e drogas de quaisquer natureza, porque são maneiras de praticar suicídio voluntário e lento.

Conhecer os limites do organismo físico e conter os abusos de suas energias inclusive a sexual, que é bênção divina para renovação do corpo e da alma, também é uma maneira de cultivar o respeito ao corpo e ao espírito.

Os alimentos, ah! os alimentos, aqui também André Luiz não deixa por menos, aconselha evitar comer em excesso, ingerir condimentos e excitantes sistematicamente, incluindo, também a pressa que temos para nos alimentar acompanhada pela ausência de serenidade. Não se pode esquecer, ainda, que outra forma peculiar de suicídio voluntário é a ingestão de alimentos em excesso.

O ar livre, a água pura, o sol e até a vestimenta com decência e limpeza são maneiras de nutrir o corpo e a alma, a fim de garantir equilíbrio e bem estar. Alguém poderá dizer que há fanatismo ou fundamentalismo quando o conselho se refere à vestimenta. Todavia, como pensamento é força criadora e vivemos, ainda, em meio a seres primitivos, vários degraus evolutivos se encontrando para experiências diversas, cautela com as próprias ações é, sem dúvida, um bom conselho. Mas, o livro desse benfeitor espiritual inicia com sua declaração que ele respeita o livre arbítrio de todos e que a obra constitui-se em lembretes e não "voz de comando".

Ao final desse capítulo 34, André Luiz nos recorda que "na Terra, cada Espírito recebe o corpo de que precisa", portanto, desprezá-lo, por mais torturado que seja, é rebeldia infundada. Quanto às doenças, o nosso proceder inicia-se com a recordação de que são provas necessárias para o ser. O capítulo 35 nos convida à confiança, à fé, à resignação, o bom senso e à razão.

Para toda cura, o medicamento exige dosagem certa.

O pensamento é uma força que tanto elabora quanto extingue muitos distúrbios orgânicos e psíquicos.

A intensidade do sofrimento varia conforme a confiança em Deus.

A medicina humana é composta por missionários e obreiros que não devem ser preteridos por médicos desencarnados.

A doença pertinaz é mecanismo de purificação da alma e, assim como a intensidade da febre é medida pelo termômetro, a da fé é medida pela enfermidade. Em ambos os casos, seja na plena saúde do vaso físico quanto na enfermidade do mesmo, as nossas atitudes devem voltar-se ao Criador.

Então é isso. Essa foi a reflexão que iniciou o nosso dia. Deixo para vocês as remissões do Evangelho feitas pelo amigo querido André Luiz:

"Glorificar, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus". (Paulo - I Coríntios, 6:20).

"Vinte a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei" (Jesus - Mateus, 11:28).

Fontes bibliográficas:
XAVIER, Francisco Cândido. Cartas e Cronicas. Ditada por Irmão X (FEB Editora). 
VIEIRA, Waldo. Conduta Espírita. Ditada por André Luiz (FEB Editora).

Nenhum comentário:

- ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA - O LIVRO DOS ESPÍRITOS – LIVRO SEGUNDO- CAP. IX – PARTE 73

INTERVENÇÃO DOS ESPÍRITOS NO MUNDO CORPÓREO - - I PENETRAÇÃO DO NOSSO PENSAMENTO PELOS ESPÍRITOS - - (Questões: 456 a 458) - ...