NATAL: EXPECTATIVA E AÇÃO



O sábio afirmou que a felicidade não é deste mundo.


"Sendo a vida uma oportunidade para experiência e aprendizado, abrandar os males do mundo depende de cada indivíduo, que, do seu ponto de vista, neste planeta, poderá ser tão feliz quanto possível. Isto porque, na maioria das vezes, somos os primeiros a criar a própria infelicidade".

O Universo é perfeito porque é regido por leis imutáveis. A gravidade é um belo exemplo. A queda de um objeto solto, a aglutinação da matéria dispersa que se mantém intacta e permite a existência da maior parte dos planetas e satélites em órbitas, a formação das marés e vários outros fenômenos na Terra e no universo resulta da ação dessa força. É uma lei natural.

"Infeliz daquele que pensa vencer a lei da gravidade por não acreditar na mesma".

Todavia, é preciso compreender os motivos que levam à infelicidade. Prepondera o fato de que os indivíduos se afastam da prática das leis naturais. Toda infração à lei da existência corpórea carregará em si a consequência, resultante dos desvios cometidos. Portanto, na maioria dos casos, é possível ser relativamente feliz.

Mas, nem todos se satisfazem na mesma medida. O que é felicidade para uns, é a razão da desgraça para outros. Essa medida para alcançar a felicidade relativa repousa em dois princípios:
     a)     Para a vida material, a posse do necessário;
     b)    Para a vida moral, a consciência tranquila e a fé no futuro.

O que afasta o indivíduo do alvo, provocando a infelicidade própria e, sobretudo, a alheia, são as ideias materialistas, os preconceitos, a ambição e os caprichos ridículos.

Época de festividades natalinas é o momento propício para reflexões, ainda que essas não cheguem aos seus respectivos alvos, que são aqueles que realmente são as pedras de tropeço, os verdadeiros causadores dos escândalos.

Quando se falar em fortunas, distribuição de rendas, riquezas, que não se vangloriem os mega-milionários, pois, a fortuna é uma prova geralmente mais perigosa que a miséria. Os males do mundo estão na razão das necessidades artificiais que são criadas. Aqueles que sabem limitar seus desejos e os que possuem menos necessidades são os verdadeiros ricos.

"OS BONS SÃO TÍMIDOS. 
QUANDO QUISEREM,
CERTAMENTE, ASSUMIRÃO
A PREPONDERÂNCIA 
SOBRE OS MAUS"

A transição planetária ou, se o quiser, a transformação da Terra ocorrerá quando seus habitantes torná-la morada do bem e dos bons Espíritos. Na atualidade parece que os maus exercem maior influência sobre os bons, mas, longe de ser o império do mal, apenas acontece que os bons são fracos e os maus intrigantes e audaciosos.


Que o bem prevaleça, comece a gritar e prepondere sobre o mal!
Torne cada dia de sua existência o verdadeiro Natal...

A PRÁTICA ESPÍRITA

- por Allan Kardec em O Livro dos Médiuns.

Destinado a facilitar para os que se dedicam ao Espiritismo e pretendem entrar em contato com os Espíritos, o Livro dos Médiuns é o fruto de longos e laboriosos estudos promovidos por Allan Kardec sob a direção do Espírito da Verdade com especial cuidado pelos Espíritos por meio de grande número de observações e instruções do mais alto interesse, aos quais coube a tarefa de rever a obra, aprová-la e/ou modificá-la à vontade. Destarte, conforme afirma o Codificador o livro “é, em grande parte, obra deles”.

Verificamos em um detido exame que é de suma importância observar os esclarecimentos feitos por Allan Kardec logo na Introdução de O Livro dos Médiuns, conforme colacionamos abaixo:

Na introdução de O Livro dos Médiuns Allan Kardec, referindo-se à comunicação com os Espíritos, afirmou que errado andaria quem julgasse que, para tornar-se perito no assunto, bastaria aprender apor os dedos numa mesa para fazê-la girar ou pegar um lápis para escrever”.

Segundo o Codificador “as dificuldades e desilusões encontradas na prática espírita decorrem da ignorância dos princípios doutrinários”, pois, não há receita universal infalível para fazer médiuns, e, “embora cada qual já traga em si mesmo os germes das qualidades necessárias, essas qualidades se apresentam em graus diversos e o seu desenvolvimento depende de causas estranhas a vontade humana”.

Adverte Allan Kardec que “a prática espírita é difícil, apresentando escolhos que somente um estudo sério e completo pode prevenir. [...] São coisas com as quais não se deve brincar e acreditamos que seria inconveniente pô-las ao alcance de qualquer estouvado que inventasse conversar com os mortos”.

“[...] as experiências feitas com leviandade, sem conhecimento de causa, provocam péssimas impressões nos principiantes ou pessoas mal-preparadas, tendo o inconveniente de dar uma ideia bastante falsa do mundo dos Espíritos, favorecendo a zombaria e dando motivos a críticas quase sempre bem fundadas”

O progresso do Espiritismo “vem [...], desde alguns anos, mas, seu maior progresso se verifica depois que entrou no rumo filosófico [...]. Esforçando-nos por sustentá-lo nesse terreno, estamos certos de conquistar adeptos mais úteis do que através de manifestações levianas. Temos a prova disso todos os dias pelo número de adeptos resultante da simples leitura de O LIVRO DOS ESPÍRITOS”.

Uma bela conclusão de Allan Kardec esclarece que O Livro dos Espíritos e o Livro dos Médiuns são obras, a um só tempo, complementares e até certo ponto independentes:

“Depois da exposição do aspecto filosófico da ciência espírita em O LIVRO DOS ESPÍRITOS, damos nesta obra a sua parte prática [...]. Essas duas obras, embora se completem, são até certo ponto independentes uma da outra. [...] O LIVRO DOS ESPÍRITOS [...] contém os princípios fundamentais, sem os quais talvez seja difícil a compreensão de algumas partes desta obra”.

É sempre importante lembrar que conclusões apressadas, sem a análise criteriosa de TODAS as afirmações de Allan Kardec, observadas em seu conjunto, podem levar a afirmações equivocadas ou a conclusões que não coadunam com a Teoria Espírita.
Estude e Viva!

PLATÃO E A DOUTRINA DA ESCOLHA DAS PROVAS

Através dos curiosos documentos célticos que publicamos em nosso número de abril, vimos que a doutrina da reencarnação era professada ...