Seguidores

terça-feira, 4 de maio de 2021

O ESPIRITISMO É DEÍSTA?


Há uma disseminação muito grande entre o denominado movimento espírita de que Espíritismo é religião. No entanto, parece haver total desconhecimento da Doutrina Espírita. De partida deixamos claro, ao nosso sentir, que o que caracteriza uma religião é ser ela teísta. O Espíritismo, por sua vez, é deísta. Vamos tentar mostrar isso nas obras fundamentais do Espiritismo.

Antes, porém, vamos nos entender quanto às palavras: DEÍSMO é uma posição filosófica que acredita na criação do universo por uma inteligência superior (que pode ser Deus, ou não). A crença nesta inteligência ocorre por meio da razão, do livre pensamento e da experiência pessoal.

Começaremos, então, pela primeira pergunta feita por Kardec aos Espíritos Superiores: "Que é Deus?". A resposta é muito conhecida: "Deus é a inteligência suprema, CAUSA PRIMÁRIA de todas as coisas".

O Espiritismo difere, portanto, dos elementos comuns das religiões TEÍSTAS, uma vez que o seu ponto de partida não é uma revelação direta, ou tradição. A primeira revelação (Moisés) é baseada em profecias e tradição; A segunda centraliza-se na pessoa de Jesus e é narrada pelos Evangelistas.

Importante salientar que em prolegômenos (O Livro dos Espíritos) Kardec esclarece: "Este livro é o compêndio dos seus ensinamentos. Foi escrito por ordem e sob ditado dos Espíritos superiores para estabelecer os fundamentos de uma filosofia racional, livre dos prejuízos do espírito de sistema". Assim, não há nenhuma possibilidade de que o seu conteúdo seja comparado à profecias ou meras narrativas.

O Espiritismo sofre importante influência filosófica.  Vejamos a primeira questão posta por Allan Kardec, como acima demonstrado. A influência, portanto, se constata, quando comparamos essas questões com o "Demiurgo" (artesão divino ou princípio criador do universo) do filósofo grego Platão.  Não é curioso que a existência de um Criador ou Organizador do Universo É A PRIMEIRA CAUSA DA FILOSOFIA DEÍSTA?

Na filosofia deísta é possível verificar que seu adepto está inclinado a afirmar a existência de um princípio criador e que não nega a realidade de um mundo completamente regido pelas leis naturais e físicas. Estudando as obras espíritas fundamentais constataremos exatamente isso. Além do mais, o deísta não pratica nenhuma religião.

É possível perguntar: o que é uma filosofia racional livre dos prejuízos do espírito de sistema? Trata-se, pois, de uma filosofia deísta.

Na introdução de O Evangelho Segundo o Espiritismo pode ser constatado como o Espiritismo trata as revelações, os escritos sagrados e as escrituras bíblicas. Kardec é muito sóbrio quando declara que estas devem ser estudadas.

Naquela obra, inclusive, vamos encontrar o curioso título de item: ALIANÇA DA CIÊNCIA COM A RELIGIÃO. Logo, temos a informação que o Espiritismo veio para ser o traço de ligação entre uma e outra. Além do mais, na questão 627 de O Livro dos Espíritos, esses demonstram que seu objetivo é trazer informações racionais, sem alegorias.

Os deístas acreditam que as ideologias religiosas devem reconciliar e não contradizer as evidências científicas em detrimento dos ensinos bíblicos. É o que depreendemos no Espiritismo quando percebemos que religião e ciência são duas alavancas do progresso, uma vez que sua fonte é a mesma: Deus.

Um princípio fundamental do DEÍSMO é que Deus criou tudo: o visível e o invisível; o mundo físico e o espiritual. Temos no Espiritismo, principalmente em O Livro dos Espíritos, a confirmação dessas verdades, trazidas em bases racionais.

O deísmo não acredita na existência de um Deus providencialista, portanto, Ele não interfere no mundo de maneira evidente como sugerem as religiões teístas. Essa confirmação está contida na obra A Gênese, onde teremos capítulos especiais tratando de Deus, da providência e da natureza das revelações.

O DEÍSMO não toma posição sobre o que é o criador, nem tem como princípio encontrá-lo. O deísmo não prega a necessidade de revelações divinas como o fazem as religiões. O Espiritismo, ao seu turno explica racionalmente o que é e para que servem essas revelações.

Para o deísta, não há nenhuma dependência da existência ou não de revelação das escrituras ou do testemunho de outras pessoas para crer. É o mesmo que se dá com o Espiritismo. Não se viola consciência. O Espiritismo se funda na autonomia do Espírito, no seu livre-arbítrio e na sua evolução conforme a Lei do Progresso. Essa evolução ocorre a partir da aquisição de conhecimentos. A cada um segundo suas obras mesmo.

A filosofia deísta tem posição contraria ao fideísmo encontrado em muitos ensinamentos, tais como o Cristianismo, Islamismo e Judaísmo, onde parte-se do princípio que a crença deve ser cega. O Espiritismo ensina uma crença baseada na razão, lógica e bom-senso. Ao contrário de dogmas incontestáveis, tudo deve ser aceito como resultado de processos intelectivos de cada indivíduo, sendo, cada um, livre para crer ou não.

Os deístas tipicamente também rejeitam certos eventos religiosos, tais como cultos, profecias, etc., uma vez que não atendem ao critério da racionalidade, base principiológica do DEÍSMO. 

Quando estudamos a obra O QUE É O ESPIRITISMO, uma das primeiras lições de Kardec é que todas as religiões podem se encontrar em torno deste, devendo afastar exatamente cultos, entre outras práticas que só interessam aos partidários desta ou daquela religião.

A maioria dos deístas que analisam as religiões organizadas em torno das revelações divinas e livros sagrados as interpretam como produto da mente humana, não como fontes de autoridade. Todavia, podem ser aceitas como inspiração moral e ética.

Veja que na introdução de O Evangelho Segundo o Espiritismo Kardec trata o Evangelho de Jesus dividindo-o em 05 (cinco) partes, sendo que uma delas é exatamente esta: um código moral incontestável.

Os deístas dizem que o maior presente do universo para a humanidade não é a religião, mas "a capacidade de raciocinar". Seria outro o pensamento espírita? Parece que o conteúdo doutrinário espírita não deixa dúvidas quanto a esse presente legado pela causa primária de todas as coisas para toda a humanidade.

Uberaba-MG, 04 de Maio de 2021.
Beto Ramos.

segunda-feira, 26 de abril de 2021

O QUE É PRECISO SABER ANTES DE LER MENSAGENS E OBRAS MEDIÚNICAS?


Talvez você esteja estranhando o título deste artigo. Não há nada de anormal, caso o (a) leitor (a) sinta-se surpreendido (a). Esse assunto parece um verdadeiro tabú entre os adeptos do Espiritismo. A Doutrina Espírita, na sua integralidade e, digamos, pureza (um termo que não deve ser lido com viés de fundamentalista), é pouco ou nada conhecida entre a grande massa daqueles que aderiram ao denominado movimento espírita. Antes de dar sequência ao tema central, apresentaremos o que significam algumas expressões usadas nesse texto.

Entendemos que Espiritismo é a palavra usada por Allan Kardec para identificar a ciência filosófica dos Espíritos. A Doutrina Espírita é o conteúdo dessa ciência filosófica transmitido a Allan Kardec por meio do ensino dos Espíritos. Espírita é o indivíduo que conhece e pratica o Espiritismo tal qual ensinado pelos Espíritos e codificado por Allan Kardec. Movimento Espírita é o conjunto de indivíduos que simpatizam-se pelo Espiritismo, ainda que não tenham conhecimento da Doutrina Espírita ou pratiquem o Espiritismo como estilo de vida, em face do conteúdo filosófico contido na sua Doutrina.

Nenhuma das explicações acima buscam fazer do (a) leitor (a) um (a) seguidor (a) das significações, mas, serve para dar sentido ao que será exposto como tema central. Dessa forma será possível compreender a formulação do pensamento, do raciocínio, em última instância, do processo intelectivo que o autor empresta aos saberes esposados, proporcionando uma dialética saudável. Estamos procurando nos entender quanto as palavras.

De plano, responderemos à indagação que esconde atrás de si uma crítica desconstrutiva e que não parte de Espírita nenhum, mas, dos simpatizantes que não pretendem SER Espíritas. O que há contra as mensagens e obras mediúnicas? Respondemos objetivamente: NADA. Somos, inclusive favoráveis que existam. Abstraindo daquelas mensagens e obras que são frutos de fraude, é preciso recordar que a Doutrina Espírita não é uma concepção puramente humana. Foram os Espíritos que a revelaram. Contudo, quem é contrário ao controle universal do ensino dos Espíritos tem a pretensão de possuir sozinho a verdade absoluta.

Sem nenhum controle seria necessário crer sob palavra, isto é, que o conteúdo teria origem séria e que haveria ABSOLUTA sinceridade de sua parte, negando que o ser humano pode enganar a si mesmo e aos outros. Nem todo equívoco ou engano é fruto do DESEJO de enganar. Os erros e a falibilidade é inerente aos seres imperfeitos no processo evolutivo, sejam encarnados ou não.

Recordando o conteúdo apresentado por Allan Kardec em O Evangelho Segundo o Espiritismo no item II da Introdução, verificamos que ele apresenta a autoridade da doutrina espírita e o controle universal do ensino dos Espíritos, em que discorre sobre a variedade de comunicações dos Espíritos por toda parte, todos os povos, entre todas as ceitas e todos os partidos. Vale dizer que o Espiritismo não possui qualquer privilégio na recepção de mensagens do mundo espiritual.

O codificador reporta à necessidade de submissão, SEM EXCESSÃO, de tudo que venha dos Espíritos, ao controle da razão. Ou seja, mesmo que exista uma variedade de fontes, qualquer teoria em contradição com o bom-senso e com uma lógica rigorosa, confrontando com os dados positivos que possuímos sobre qualquer tema, por mais respeitával que seja o nome que assine a comunicação, DEVE SER REJEITADA.

Observe que Kardec é objetivo quanto ao bom senso. É que todos possuem senso, pois, cada ser encarnado é dotado de sentidos humanos. O bom-senso decorre do processo intelectivo racional, cujo fio condutor é o conhecimento adquirido por meio de DADOS POSITIVOS.

Não é por que alguém aceita ou deixa de aceitar a teoria que faz dela algo racional. Sabemos que, em muitos casos, o conhecimento é incompleto, insuficiente para emissão de uma opinião, caso em que é necessário abster-se de opinar. Aqui não se trata de qualquer interdição ao debate, apenas recordar que esse é travado por aqueles que possuem o conhecimento do tema proposto, a fim de que todos os participantes estejam cientes do assunto e conteúdo daquilo que é o objeto de estudo. 

Exemplificando: os médicos falam da ciência médica e os advogados falam da ciência jurídica; ambos podem tratar do assunto referente à ciência do outro, mas, é necessário CONHECIMENTO PRÉVIO, sem o qual não poderão se entender. Por isso que, em Espiritismo, o essencial de uma mensagem é verificar sua origem, sua fonte. É ela produto da concordância de revelações feitas ESPONTANEAMENTE, por meio de um GRANDE NÚMERO DE MÉDIUNS, estranhos uns aos outros, em diversos lugares?

Allan Kardec afirmou que tudo que se refira a PRINCÍPIOS ESPÍRITAS é ensinado ESPONTANEAMENTE, ao mesmo tempo, em diferentes lugares, de maneira idêntica (senão pela forma, ao menos quanto ao fundo). Para bem compreender essa questão, remetemos o (a) interessado (a) para a obra acima mencionada, onde pode-se fazer um estudo aprofundado e sério acerca do assunto. Vamos à conclusão.

O que é preciso saber antes de ler mensagens e obras mediúnicas? Essa pergunta nos leva às questões atinentes à razão, lógica e bom-senso acima mencionadas e que devem ser meditadas na fonte indicada (E.S.E., Allan Kardec). Mas, diante do legado de Allan Kardec, o que devemos conhecer primeiramente, com profundidade, de modo grave, sério? Trata-se da ESCALA ESPÍRITA. É nela que encontraremos as informações sobre cada classe de Espíritos e cada ordem a que pertencem.

O tipo de linguagem que usam, quais os seus objetivos, como são ou não são influenciados pela matéria, sua falibilidade e infalibilidade, o que podem ensinar ou não, qual a responsabilidade de cada um com referência ao conteúdo da mensagem, se respondem a tudo ou não, enfim, todos os elementos que possibilitam ao Espírita verificar e até testificar o conteúdo da mensagem ou da obra mediúnica.

O Espírita, diante da mensagem ou da obra mediúnica, avaliando-a por meio dos elementos citados, será respeitoso, apresentará críticas, afastará a credulidade cega e terá uma ideia mais próxima da realidade do mundo espiritual, uma vez que, somente os Espíritos Puros podem dar a exata ideia de como é, verdadeiramente, essa realidade.

Os Espíritos Puros até se comunicam, todavia, muito raramente. Portanto, tudo o que podemos saber sobre o mundo moral é uma ideia mais próxima da sua realidade, desde que se possa aferir a superioridade ou inferioridade do Espírito comunicante, o que ocorre quando o Espírita possui profundo conhecimento das minúcias contidas na Escala Espírita apresentada por Allan Kardec em O Livro dos Espíritos. É que, somente os Espíritos Puros possuem superioridade intelectual e moral absoluta em relação aos Espíritos das outras ordens e não sofrem NENHUMA influência da matéria, pois, não precisam reencarnar e passar por provas e expiações.

O fato de não estarem sujeitos às necessidades e problemas da vida material proporciona que compreendam a realidade do mundo espiritual, enquanto que os demais podem ser mais ou menos obscurecidos em razão da influência que sofrem da matéria (em maior ou menor grau). Eis o que, a nosso ver, é preciso saber antes de ler mensagens e obras mediúnicas, caso o desejo do interessado seja se instruir quanto à realidade do mundo espiritual.

Uberaba-MG, 26 de abril de 2021.
Beto Ramos.

domingo, 25 de abril de 2021

QUEM SÃO OS INIMIGOS DO ESPIRITISMO?

 

Abordar o tema inimigos do espiritismo para estudiosos desta ciência filosófica não causa espanto algum. Não se pode dizer o mesmo daqueles que, além de não estudar com profundidade o espiritismo, desconsiderando o seu caráter científilo-filosófico, vêem e propagam o espiritismo por um prisma descartado por Kardec, que afirmou: o espiritismo não é religião.

Aquele que busca compreender as bases e princípios sob os quais repousam solidamente o edifício espírita, certamente deve começar pela obra O Que É O Espiritismo de autoria de Allan Kardec. Nela o codificador exporá claramente o que se compreende por inimigo/adversário do espiritismo. Há farto material sobre esse tema presente nas Revistas Espíritas.

No primeiro capítulo da obra O Que É O Espiritismo veremos o autor afirmar: "A maior parte dos que seriamente têm estudado a questão, mudou de ideia, e mais de um adversário se tem tornado adepto do Espiritismo, quando reconhece que o seu objetivo é muito diverso daquele que supunha.

Em outro diálogo, na mesma obra, o autor também vai declarar: "O Espiritismo era apenas uma simples doutrina filosófica; foi a igreja quem lhe deu maiores proporções, apresentando-o como inimigo formidável; foi ela, enfim, quem o proclamou nova religião. FOI ERRADO, mas, a paixão não raciocina melhor".

A respeito daquilo que "certas pessoas" consideram sobre as ideias espíritas, Kardec vai dizer: "Não é portanto, estranháveis que os inimigos do Espiritismo procurem agarrar-se a todos os pretextos [e] empregam-no logo, conquanto não resista ao mais ligeiro exame.

Referindo-se à interdição do Espiritismo, ainda na obra citada, Kardec é questionado sobre o tema e apresenta resposta objetiva: "Solicito-vos uma última resposta: O Espiritismo tem poderosos inimigos; não poderiam eles interditar-lhe a prática e as sociedades e, por esse meio, impedir-lhe a propagação? Seria um modo de perder a partida um pouco mais cedo, porque a violência é o argumento daqueles que não têm boa razões".

Quando falamos sobre esse tema, apresentamos as ideias e nos referimos às pessoas e grupos que se insurgiram, se insurgem e, certamente, ainda vão se insurgir contra o espiritismo, temos em mente um questionamento do próprio codificador ocorrido em 12 de Junho de 1856, quando, pela mediunidade da senhoria C, questiona ao Espírito da Verdade, verbis:

"Quais são as causas que me poderiam fazer fracassar? Seria a insuficiência das minhas aptidões? Não, mas a missão dos reformadores é cheia de escolhos e perigos; a tua é rude; previno-te, porque é ao mundo inteiro que se trata de agitar e de transformar. Não creias que te seja suficiente publicar um livro, dois livros, dez livros, e ficares tranquilamente em tua casa; não! é preciso de mostrares no conflito; contra ti se açularão terríveis ódios, implacáveis inimigos tramarão a tua perda; [...] as tuas melhores instruções serão impugnadas e desnaturadas; [...] Para tais missões não basta a inteligência. É preciso antes de tudo, para agradar a Deus, humildade, modéstia, desinteresse, porque abatem os orgulhosos e presunçosos. Para lutar contra os homens, é necessário coragem, perseverança e firmeza inquebrantáveis; [...]".

Alguns críticos tanto em seio espírita quanto fora, defendendo os seus "flancos" aduzem que o espiritismo não possui inimigos; outros por se filiarem às mais estranhas correntes de sistemas criados contemporâneos a Kardec e após, não se dignam ao mínimo exame das razões sob as quais assentam nossas advertência e denúncias para atacar com veemência esse escriba. No entanto, o que nos move é a razão, a lógica e o bom-senso.

Não é possível aceitar o que está fora do espiritismo, uma vez que, se coube ao codificador, por meio do seu trabalho TRANSFORMAR O MUNDO INTEIRO e, certo de que o mundo inteiro não está transformado, alguns autores não possuem a menor autoridade para desvirtuar a doutrina espírita.

Outros, ainda mais perigosos postulam uma pseudo-superação de Kardec e, consequentemente do espiritismo, e se arvoram a ser eles os que merecem ser seguidos em suas teorias não testificadas, cuja incoerência é flagrante, tanto do ponto de vista lógico e filosófico quanto do científico, vez que embasados em critérios puramente religiosos. Como visto, não é esse o caráter do espiritismo como codificado por Allan Kardec e ensinado pelos Espíritos Superiores.

Portanto, doendo em quem quer que seja, vamos continuar denunciando a presença dessas doutrinas, verdadeiros cavalos de tróia, no meio espírita, bem como quem quer que seja o seu adepto, uma vez que o compromisso de todo espírita deve ser com aquele Espírito que advertiu Kardec e reportou aos seus inimigos e, consequentemente, inimigos do espiritismo: A Verdade.

Uberaba - MG, 25 de abril de 2021.

Beto Ramos

segunda-feira, 19 de abril de 2021

DEUS - O PRIMEIRO MOTOR

 

Quem não se recorda da primeira questão que antecede as mais de uma milhar contida em O Livro dos Espíritos? 

Entrevistando os Espíritos Superiores, Allan Kardec fez a seguinte indação: QUE É DEUS? E eles responderam: "A Inteligência Suprema, Causa Primeira de Todas as Coisas".

Quando se estuda um período de aproximadamente 600 anos antes da nossa era, depara-se com um dos mais conhecidos e consagrados filósofos da antiguidade: Aristóteles. Originário da Macedônia, Grécia, viveu entre os anos 384 e 322 a.C. Estudou na academia de Platão (Atenas), ficando por lá cerca de 20 anos. Depois da morte de Platão se casa e retorna para a Macedônia, onde foi nomeado pelo Rei como tutor de seu filho Alexandre, então com 13 anos. Esse último ficou conhecido como conquistador: Alexandre o grande.

De volta a Atenas esse filósofo fundou sua própria escola de filosofia: o Liceu. Entre contradições que acompanham vários destes pensadores, Aristóteles apresentava as suas. É que, apesar de pedir a libertação de seus escravos em testamento, foi Aristóteles quem disse: "aqueles cativos são escravos por natureza".

Pai da denominada lógica dedutiva ou silogística, esse pensador contribuiu com muitas outras questões fundamentais fazendo as suas proposições.

Nos interessa sua influência no trabalho de Kardec. Parece que sua contribuição para a ciência filosófico-espírita não ficou somente adistrita ao fato de que sua metodologia científica de observação e classificação (indução e dedução) teria sido usada por Kardec no trabalho de Codificação da Doutrina dos Espíritos (vide, por exemplo, a escala espírita).

O pensamento aristotélico, a nosso ver, teve influência poderosa naquele trabalho. Estudando esse filosófo vamos verificar que Aritóteles não se convenceu com a teoria de Platão acerca do mundo das formas.

Na sua concepção só as coisas individuais existem. Assim, afirmava: como cada acontencimento tem uma causa, se recuarmos até o começo dos tempos, chegaremos à conclusão de que deve ter havido a causa primeira, ou primeiro motor, alguma coisa parecida com um Criador Divino.

Na sua teoria a causa final refere-se à função em potencial. Os objetos possuem suas funções, assim como as plantas, os animais e os seres humanos. Contudo, afirmava que as funções desses últimos, diferentes das coisas, são muito mais complexas.

Diante dessa construção filosófica do pensamento de Aristóteles, recordamos a questão 132 de O Livro dos Espíritos: qual a finalidade da encarnação dos Espíritos. E eis que os Espíritos respondem: "[...] colocar o Espírito em condições de enfrentar sua parte na obra da Criação. [...]".

Portanto, ao meditar sobre essas informações, encontramos nesta reflexão a influência da filosofia no trabalho executado por Kardec sob ordens dos Espíritos superiores.

A teoria da Causa Primária, Inteligência Suprema se encontrando com a teoria da causa final, a inteligência relativa, cujo objetivo é chegar à perfeição por meio das sucessivas reencarnações, sempre tomando um aparelho em cada mundo para, daquele ponto de vista, cumprir as ordens de Deus. 

O Espírito, verdadeiro representante da humanidade, exercendo as mais complexas funções ao longo da eternidade.

Uberaba-MG, 19 de Abril de 2021.

Beto Ramos.

domingo, 18 de abril de 2021

NOÇÕES DE ESPIRITISMO


São muitas as publicações trazendo "noções de espiritismo". No entanto, parece que há uma variedade de informações que não são condizentes com Espiritismo e, menos ainda, com a Doutrina Espírita. Se você se espantou quando usamos duas expressões proporcionando sentidos diferentes, o objetivo é exatamente esse. Talvez o erro mais primário é considerar essas expressões como sinônimos, quando, definitivamente, não são.

O Espiritismo é uma ciência-filosófica. Isto em razão do fato que, ao mesmo tempo em que é uma ciência da observação, também é uma doutrina filosófica. "Como ciência prática, consiste nas relações que se podem estabelcer com os Espíritos; como filosofia, compreende todas as consequência morais que decorrem dessas relações" (O que é o Espiritismo - Allan Kardec). 

Foi Allan Kardec quem melhor definiu o Espiritismo: "é uma ciência que trata da natureza, da origem e do destino dos Espíritos e de suas relações com o mundo corporal."

A Doutrina dos Espíritos é o conteúdo dessa ciência-filosófica, devidamente organizada e distribuída nas obras denominadas, no conjunto, de Codificação Espírita. O Espiritismo é a ciência-filosófica emanada de fonte espiritual. Isto é, trata-se da Ciência dos Espíritos. Enquanto que, ao seu turno, a Doutrina Espírita é o conteúdo transmitido pelos Espíritos, ou, ainda, podemos afirmar, o ensino dos Espíritos.

O Espiritismo é, ainda, filosofia, em razão de que o seu conteúdo, devidamente desenvolvido, explicado e esclarecido pelos Espíritos, possui como fonte a Filosofia Espiritualista Racional. São suas fontes remotas a própria filosofia desenvolvida ao longo dos séculos, principalmente aquela surgida por volta de 600 (seiscentos) anos antes da era Cristã (ou a.C.).

Com base nisto podemos afirmar que o testemunho de fenômeno espírita não torna aquele que não crê um convicto, pois, muitos possuem indagações advindas de ideias preconceituosas ou de objeções que são impossíveis de responder imediata e completamente em razão da ausência de um conhecimento, seja pelo incrédulo ou pelo objetor,  mais aprofundado dessa ciência-filosófica.

O conhecimento do Espiritismo é possível a partir da observação das causas e condições em que os fenômenos ocorrem, mas é preciso muito estudo para não tomar a causa pelo efeito. É ingenuidade pretender controlar os fenômenos espíritas, uma vez que não se pode fazer com  ele as mesmas experiências que se faz com a química ou a física.

É o observador quem deve colocar-se nas condições necessárias para observar os fenômenos espíritas que não ocorrem de conformidade com a vontade desse mesmo observador. Por exemplo, quem parte do pressuposto que não existem Espíritos, nunca estará na condição de compreender que existem os efeitos, isto é, os fenômenos que ocorrem em razão da inteligência que está por trás dos mesmos (os Espíritos) - a causa dos fenômenos espirituais.

Observando os vários "tratados" sobre Espiritismo, existem os que entenderam mal ou praticaram mal o Espiritismo. Existem tratados absurdos e cheios de erros. É que, no desejo incontrolável de publicar uma obra a respeito desse ou daquele tema, os "escritores" não observam corretamente os fenômenos e não percebem que as aparências não podem tomar por base o juízo do investigador. É necessário saber o que o Espiritismo admite e o que ele rejeita, pela razão e pela experiência.

Existem muitas noções sobre o Espiritismo que podem ser adquiridas em obras mais sintéticas que foram escritas por Allan Kardec. Sugerimos ao interessado em Espiritismo que procure começar o seu caminhar por essa bela ciência-filosófica apreendendo o seu rico conteúdo.

Uberaba-MG, 18 de abril de 2021.

Beto Ramos.

DESTAQUE DA SEMANA

O ESPIRITISMO É DEÍSTA?

Há uma disseminação muito grande entre o denominado movimento espírita de que Espíritismo é religião . No entanto, parece haver total descon...

MAIS VISITADAS