Seguidores

terça-feira, 31 de agosto de 2021

JESUS E A "INTELIGÊNCIA PERFEITA DAS COISAS"

 

Será que existem INCRÉDULOS que ‘pensam’ que acreditam?

Será que ao ‘crer’ em alguma coisa, o ‘crente’ conhece aquilo que diz crer?

Os erros e equívocos cometidos por aqueles que debatem questões, sem delas ter uma cognição ‘a priori’, podem ser computados à conta dos que lhes apresentaram ‘as coisas’ desta ou daquela maneira?

Seria o caso de 'culpa recíproca'?

Allan Kardec, no capítulo 19 da obra O Evangelho Segundo o Espiritismo, no item 7, em que trata da condição da fé inabalável, escreve que “a resistência do incrédulo [...] muitas vezes provém menos dele do que da maneira por que lhe apresentam as coisas. A fé necessita de uma base, base que é a INTELIGÊNCIA PERFEITA daquilo em que se deve crer. E, para crer, não basta ver, é preciso, sobretudo, compreender.

Nesse caso, ao fazer a exposição sobre qualquer assunto e, principalmente quando for transmitir o 'saber', é preciso ter o conhecimento possível, abrangendo todos os pontos acerca do objeto de pesquisa. Tanto o transmissor quanto o receptor precisam compreender o objeto de sua crença.

Na ausência do que Kardec chamou de inteligência perfeita, é possível encontrar algumas deficiências no discurso dos que buscam transmitir algum saber. O processo intelectivo  realizado na aquisição do conhecimento reclama fugir de 'opiniões pessoais' ou preconcebidas sobre as coisas.

Citamos como exemplo as 'interpretações' produzidas sobre informações contidas nos Evangelhos, atribuídas ao Cristo, que, por vezes, são desprovidas da cognição a priori, vez que se desconsidera o método histórico-gramatical. Para exemplificar apresentamos as informações a seguir.

Você já ouviu falar de uma regra chamada do menor para o maior”? Era uma das regras de interpretação das escrituras ao tempo de Jesus. No século I, o mundo judaico as interpretava usando algumas regras principais que foram formuladas por Hillel, conhecido como "o Ancião".

Trata-se do ‘famoso’ princípio kal vahomer - do menor para o maior - ou o “quanto mais”. Vejamos nos ensinos de Jesus alguns exemplos:

“Se Deus alimenta os pássaros e cuida das flores, o quanto mais Ele cuidará do homem!” (Mt. 6:26-30)

Qual a lógica dos ensinamentos contidos nesses versículos e resumidos na frase acima? É que as pessoas são muito mais importantes para Deus do que os pássaros ou as plantas.

Nas suas pregações Jesus usou esse princípio outras vezes. Em Lucas capítulo 23, versículo 31, precedendo à sua crucificação, ele diz:

“Pois, se fazem isto com a árvore verde, o que acontecerá quando ela estiver seca?”.

Parece-nos que se trata do mesmo método de comparação. Vejamos!

Qual é o significado de “árvore verde” nessa afirmação?

Como todos sabemos (não é verdade?), trata-se de um símbolo bíblico clássico de uma pessoa justa.

Então, a interpretação menos equivocada consideraria que Jesus disse:

"Se eu, que sou uma pessoa justa, devo sofrer; o quanto mais vocês, pecadores, terão que sofrer?"

Na tradição judaica do tempo de Jesus, o uso do princípio kal vahomer para a interpretação das Escrituras era muito difundido e muito importante. Aqueles que ouviam seus ensinos compreendiam a lógica de suas comparações e, portanto, tiravam conclusões absolutamente claras.

E você? Acredita que os intérpretes possuem a inteligência perfeita sobre "certas passagens dos Evangelhos" e "conhecem o valor de muitas palavras frequentemente empregadas nos textos, e que caracterizam o estado dos costumes e da sociedade judia naquela época"? (E.S.E., Introdução, item 3, Notícias Históricas).

Deixe sua opinião e comentário.


Uberaba-MG, 31.08.2021.
Beto Ramos

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

DESEJO E VONTADE SÃO A MESMA COISA?

               


Segundo Spinoza, o filósofo, "não é porque uma coisa é boa que a desejamos, mas, porque a desejamos [a coisa] ela nos parece ser boa".

Ao introduzir o leitor nessa reflexão, desde já, vamos compreender que, ao se falar em Espiritismo, as palavras DESEJO e VONTADE cumprem o seu papel e estão em conformidade com a advertência dos Espíritos quanto a 'nos entedermos quanto às palavras'.

Avançando nessa instrução, eu diria que, para entender é preciso conhecer. O fato é que nós costumamos criar dificuldades quando elas, definitivamente, não existem. É o caso de impormos em 'nosso vocabulário' sinônimos onde eles não existem (ou, simplesmente, não deveriam existir em razão da confusão que provocam).

Não é porque uma definição 'aparece' em um dicionário que devemos fechar os olhos e 'crer cegamente' que o significado 'resolveu' os problemas do entendimento e da compreensão, ambos, processos intelectivos. É um pouco sobre isso que vamos tratar.

Cumpre, todavia, em princípio esclarecer que o substantivo masculino DESEJO possui multiplicidade de sentidos, isto é, trata-se de uma palavra é polissêmica. No entanto, para a nossa investigação vale a pena capturar os sinônimos da expressão desejo em nosso léxico (língua e dicionário). Desejo, então, é tratado como propósito, anseio, sofreguidão, libido, ambição, avidez, cobiça, sede, objetivo.

Por outro lado, temos expressões vocabulares que são tratadas como o contrário de desejo. São elas: isenção, modéstia, desapego, desinteresse, generosidade, despretensão.

Desta maneira, vamos sugerir que a palavra desejo faz muito sentido quando a conectamos com a ideia de IMPULSO.

Além disto, pela observação das expressões que possuem significado contrário, a palavra desejo faz mais sentido ainda quando a afastamos da ideia de RAZÃO.

Pois bem. O problema surge quando, para explicar o desejo, afirmamos que ela se refere a uma ação ou efeito de desejar, de querer ou de possuir vontade. É nesse ponto que propomos essa reflexão. Nosso objetivo é demonstrar que  há diferença entre vontade e desejo. É necessário, então, compreender essa diferença capital.

Ao pesquisar sobre o substantivo feminino vontade encontramos como um de seus sentidos que se trata de um sentimento que leva uma pessoa a fazer alguma coisa, a buscar seus objetivos ou buscar os seus desejos.

Ora, se a vontade me conduz a buscar os meus desejos, a própria definição mostra que são duas coisas distintas.

Entendemos que a VONTADE está relacionada com a capacidade do indivíduo de escolher entre as opções que possui e sobre as quais já amealhou algum entendimento. Nesse sentido, a VONTADE se materializa na FACULDADE DE FAZER OU NÃO FAZER DETERMINADAS AÇÕES.

Você percebe assim, com mais clareza, que a VONTADE está no campo da RAZÃO. A razão pura é aquela que não foi (ou deixou de ser) contaminada pelos desejos e pelos instintos.

A VONTADE ESTÁ NO CAMPO DO CONHECIMENTO ESCLARECIDO, que superou o campo da intuição e do mero entendimento. Trata-se da capacidade de observar, planejar, de criar alternativas e de resolver problemas.

O DESEJO está ligado à IDEIA DE SATISFAÇÃO DA PAIXÃO OU DO PRAZER. Nessa reflexão o desejo está mais próximo do INSTINTO, um IMPULSO interior que provoca a execução de atos inconscientes. Esses atos são praticados devido às necessidades do momento.

Como ensina a filosofia, o instinto (ou impulso interior) nada mais é que uma força que se dirige a um fim. Esse fim, ou objetivo, é uma fonte de satisfação (consciente ou inconsciente), às vezes até reprimidapara o ser que o experimenta. 

O desejo é uma necessidade instintiva do corpo. A vontade é uma decisão deliberada que representa uma ação vigorosa e determinante da mente sobre o corpo. Essa decisão é baseada na consciência, na sabedoria e na razão. A VONTADE, como fruto do CONHECIMENTO ESCLARECIDO, compreende a ocasição em que afloram os desejos e os instintos e os dirige.

O Espiritismo tem como base o princípio da evolução perpétua e continua do Espírito. Esse, foi criado por Deus simples e ignorante. A evolução do Espírito na fase humana começa, portanto, com a nulidade moral, mas perfectível e dotado de atributos.

Essas faculdades, ou potencialidades do Espírito são: instinto, pensamento, inteligência, livre-arbítrio e vontade. Todos esses atributos tornam o Espírito apto a intuir, imaginar, conhecer, entender, julgar, saber e compreender.

A Doutrina Espírita supera a questão meramente corporal e ensina que o Espírito imortal é o titular de todos esses atributos que parte da ciência conferia somente à matéria. Nesse sentido, o processo de aquisição do conhecimento e a própria evolução ocorre por meio das sucessivas reencarnações.

Nenhum dos atributos do Espírito são utilizados com todo o seu potencial e plenamente. À medida que a evolução do Espírito ocorre, eles são desenvolvidos.

Para refletir sobre isso vamos trazer algumas afirmações de Allan Kardec sobre as Diferentes Ordens de Espíritos, quanto à categoria dos Espíritos segundo suas três grandes divisões ou Escala Espírita, quando trata do tema "Dos Espíritos", na Segunda Parte, Capítulo 1 (O Livro dos Espíritos, Questão 100):

"Os Espíritos, em geral, admitem três categorias principais, ou três grandes divisões:

a) Na última, a que fica na parte inferior da escala, estão os Espíritos imperfeitos, caracterizados pela predominância da matéria sobre o espírito e pela propensão para o mal;

b) Os da segunda se caracterizam pela predominância do espírito sobre a matéria e pelo desejo do bem: são os bons Espíritos.

c) A primeira, finalmente, compreende os Espíritos puros, os que atingiram o grau supremo da perfeição.

Mais à frente, na Questão 101, veremos que os Espíritos da Terceira Ordem ou Imperfeitos se caracterizam por todas as paixões, que são consequências das imperfeições (ignorância, orgulho e egoísmo), os quais possuem a INTUIÇÃO, mas não possuem COMPREENSÃO e a sua INTELIGÊNCIA pode ou não se aliar à maldade e à malícia. Em alguns deles há, inclusive, mais falta de reflexão sobre as coisas do que a própria maldade. A matéria predomina sobre o Espírito, o qual está mais próximo do INSTINTO e, ainda, muito longe da razão.

A Segunda Ordem ou Bons Espíritos, são caracterizados por qualidades para o bem segundo o que tenham adquirido nas áreas da ciência, da sabedoria e da bondade. Saber e qualidades morais já aparecem naqueles que se adiantaram mais nessa classe. Mas, como mostram os Espíritos, DESEJAM O BEM, pois, ainda apresentam hábitos, manias e lingugem, etc., próprias de Espíritos em evolução.

Finalmente, na Primeira Ordem ou Espíritos Puros vamos encontrar aqueles sobre os quais a matéria NÃO EXERCE NENHUMA INFLUÊNCIA. São aqueles que já atingiram SUPERIORIDADE INTELECTUAL E MORAL ABSOLUTA em relação aos demais Espíritos das outras ordens. São portadores da mensagem de Deus, comandam os Espíritos que lhes são inferiores e são gratos e felizes com suas tarefas e missões. Parece-nos que superaram o DESEJO DO BEM, pois, REALIZAM O BEM PELO BEM por atos de sua própria VONTADE, guiada pelo ato do dever.

Não é difícil, agora, compreender a diferença entre DESEJO E VONTADE.

Uberaba - MG, 09 de Agosto de 2021 (modificado em 11/08/2021 - 16h00).

Beto Ramos.

BAIXE OS SLIDES AQUI.

DESTAQUE DA SEMANA

O ATO DO DEVER MORAL E A CARIDADE DESINTERESSADA

Quem não tem dúvidas, certamente, é porque não estuda. E, por falar nisto, vejamos quantas perguntas estão presentes apenas em uma proposta ...

MAIS VISITADAS