Seguidores

terça-feira, 31 de agosto de 2021

JESUS E A "INTELIGÊNCIA PERFEITA DAS COISAS"

 

Será que existem INCRÉDULOS que ‘pensam’ que acreditam?

Será que ao ‘crer’ em alguma coisa, o ‘crente’ conhece aquilo que diz crer?

Os erros e equívocos cometidos por aqueles que debatem questões, sem delas ter uma cognição ‘a priori’, podem ser computados à conta dos que lhes apresentaram ‘as coisas’ desta ou daquela maneira?

Seria o caso de 'culpa recíproca'?

Allan Kardec, no capítulo 19 da obra O Evangelho Segundo o Espiritismo, no item 7, em que trata da condição da fé inabalável, escreve que “a resistência do incrédulo [...] muitas vezes provém menos dele do que da maneira por que lhe apresentam as coisas. A fé necessita de uma base, base que é a INTELIGÊNCIA PERFEITA daquilo em que se deve crer. E, para crer, não basta ver, é preciso, sobretudo, compreender.

Nesse caso, ao fazer a exposição sobre qualquer assunto e, principalmente quando for transmitir o 'saber', é preciso ter o conhecimento possível, abrangendo todos os pontos acerca do objeto de pesquisa. Tanto o transmissor quanto o receptor precisam compreender o objeto de sua crença.

Na ausência do que Kardec chamou de inteligência perfeita, é possível encontrar algumas deficiências no discurso dos que buscam transmitir algum saber. O processo intelectivo  realizado na aquisição do conhecimento reclama fugir de 'opiniões pessoais' ou preconcebidas sobre as coisas.

Citamos como exemplo as 'interpretações' produzidas sobre informações contidas nos Evangelhos, atribuídas ao Cristo, que, por vezes, são desprovidas da cognição a priori, vez que se desconsidera o método histórico-gramatical. Para exemplificar apresentamos as informações a seguir.

Você já ouviu falar de uma regra chamada do menor para o maior”? Era uma das regras de interpretação das escrituras ao tempo de Jesus. No século I, o mundo judaico as interpretava usando algumas regras principais que foram formuladas por Hillel, conhecido como "o Ancião".

Trata-se do ‘famoso’ princípio kal vahomer - do menor para o maior - ou o “quanto mais”. Vejamos nos ensinos de Jesus alguns exemplos:

“Se Deus alimenta os pássaros e cuida das flores, o quanto mais Ele cuidará do homem!” (Mt. 6:26-30)

Qual a lógica dos ensinamentos contidos nesses versículos e resumidos na frase acima? É que as pessoas são muito mais importantes para Deus do que os pássaros ou as plantas.

Nas suas pregações Jesus usou esse princípio outras vezes. Em Lucas capítulo 23, versículo 31, precedendo à sua crucificação, ele diz:

“Pois, se fazem isto com a árvore verde, o que acontecerá quando ela estiver seca?”.

Parece-nos que se trata do mesmo método de comparação. Vejamos!

Qual é o significado de “árvore verde” nessa afirmação?

Como todos sabemos (não é verdade?), trata-se de um símbolo bíblico clássico de uma pessoa justa.

Então, a interpretação menos equivocada consideraria que Jesus disse:

"Se eu, que sou uma pessoa justa, devo sofrer; o quanto mais vocês, pecadores, terão que sofrer?"

Na tradição judaica do tempo de Jesus, o uso do princípio kal vahomer para a interpretação das Escrituras era muito difundido e muito importante. Aqueles que ouviam seus ensinos compreendiam a lógica de suas comparações e, portanto, tiravam conclusões absolutamente claras.

E você? Acredita que os intérpretes possuem a inteligência perfeita sobre "certas passagens dos Evangelhos" e "conhecem o valor de muitas palavras frequentemente empregadas nos textos, e que caracterizam o estado dos costumes e da sociedade judia naquela época"? (E.S.E., Introdução, item 3, Notícias Históricas).

Deixe sua opinião e comentário.


Uberaba-MG, 31.08.2021.
Beto Ramos

4 comentários:

  1. Para melhor compreensão dos textos judaicos, como também, da codificação, se faz necessário contextualizar, buscar referências das palavras, frases, conhecer a cultura daquele povo ou nação. Dessa forma a compreensão se torna mais clara, o entendimento mais lúcido.

    ResponderExcluir
  2. Aqui mesmo, neste artigo acima, encontra-se informações que para mim e penso que, para uma grande maioria era desconhecida.

    ResponderExcluir
  3. E aí está a grande dificuldade em compreender a Doutrina Espírita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As culturas, Lauro, possuem suas expressões idiomáticas, isto é, aquelas expressões que só o contexto nos ensina o significado. É assim com praticamente todas, para não dizer todas, as áreas do conhecimento. Estamos numa jornada para o aprendizado. Cada dia fica mais claro, ao menos para mim, o quanto EU NÃO SEI. Uma coisa é bem verdade: já tenho consciência e digo sem me envergonhar o que eu não sei. Só assim é possível perseguir a INTELIGÊNCIA PERFEITA daquilo que estudamos. Reconhecer nosso tamanho diante da eternidade que há para... conhecer. Abraços e obrigado pelos comentários.

      Excluir

Comente. Debatemos sem disputar.

DESTAQUE DA SEMANA

O ATO DO DEVER MORAL E A CARIDADE DESINTERESSADA

Quem não tem dúvidas, certamente, é porque não estuda. E, por falar nisto, vejamos quantas perguntas estão presentes apenas em uma proposta ...

MAIS VISITADAS