CONHEÇA SUA BÍBLIA: AS DUAS NAÇÕES


No Livro de Gênesis, Antigo Testamento, encontramos a história de Rebeca. Grávida, preocupada, numa sociedade primitiva, foi consultar o Senhor, afinal Rebeca era estéril havia vinte anos. O Senhor, atendendo-a, disse: "Duas nações estão em seu ventre [...] Mas o mais velho servirá ao mais novo" (Capítulo 25, versículo 23). As traduções que conhecemos hoje (século XXI) no Brasil sempre apresentam a última frase do versículo com a frase acima: "o mais velho servirá ao mais novo".
Todavia, a Torah, matéria-prima para todo erudito e tradutor, que dá origem ao que conhecemos como Bíblia, não foi escrita e muito menos ensinada em Língua Portuguesa. Aliás, naquele tempo não havia língua portuguesa, não havia portugueses e muito menos Portugal.
A Lei, tanto oralmente quanto quando foi escrita, usou a língua hebraica. No hebraico essas palavras que originaram a tradução mencionada não são tão claras e apresentam ambiguidade considerável: v’rav ya’avod tzair (וְרַב יַעֲבֹד צָעִיר).
O que se sabe é que em hebraico não há clareza sobre qual seria a palavra usada na frase para expressar o objeto e qual seria aquela para o sujeito. É que o texto pode ser interpretado em ambos os sentidos.

Parece que ficou muito confuso, mas, é possível esclarecer. NÃO HÁ NENHUMA MANEIRA DE DETERMINAR QUEM SERVIRÁ A QUEM. TALVEZ PODERIA SER O MAIS NOVO A SERVIR AO MAIS VELHO.
Emmanuel na obra A Caminho da Luz, ditada a Chico Xavier, (FEB, 1939), no capítulo em que relata sobre o Judaísmo e o Cristianismo afirma que “[..] o Antigo Testamento é um repositório de conhecimentos secretos, dos iniciados do povo judeu, e que somente os grandes mestres da raça poderiam interpretá-lo fielmente, nas épocas mais remotas”.
No capítulo 7, denominado O Povo de Israel, afirma que eminentes estudiosos buscaram penetrar os obscuros segredos contidos no Antigo Testamento aproximando-se da realidade com referência às interpretações, não conseguindo, todavia, solucionar os vastos problemas que as suas expressões oferecem.
E, afirma o benfeitor na página 59 da 3ª impressão da 38ª edição: “Os livros dos profetas israelitas estão saturados de palavras enigmáticas e simbólicas, constituindo um monumento parcialmente decifrado da ciência secreta dos hebreus. [...] É por isso que, a par do Evangelho, está o Velho Testamento tocado de clarões imortais, para a visão espiritual de todos os corações”.
Chamamos sua atenção para a importância de uma leitura da Torá em hebraico. Não se trata de violar sua consciência, menos ainda sua crença. Mas, convidamos para que o texto seja lido, pelo menos, junto com o texto hebraico.

É que os tradutores, constatando a ambiguidade do texto, bem como e a complexidade da língua hebraica, acabam (e não quer dizer que seja má-fé) traduzindo o texto conforme seus conceitos.
Nesse caso, sobram duas escolhas: ou se compreende a Bíblia conforme a interpretação teológica de tais tradutores ou é possível descobrir a Bíblia Hebraica, buscando as próprias respostas às perguntas levantadas pela Torá. E, para tanto, é possível contar com excelentes cursos feitos, inclusive, pela internet, isto é, à distância.

Podemos recomendar um que pensamos ter atendido às nossas expectativas: ISRAEL INSTITUTE OF BIBLICAL STUDIES, parceira acadêmica da THE HEBREW UNIVERSITY OF JERUSALEM. Achou complicado? Então segue o endereço: https://israelbiblicalstudies.com/pt/

XAVIER, Francisco Cândido. A Caminho da Luz. Pelo Espírito Emmanuel. Brasília: FEB, 1939.

Nenhum comentário:

APRECIAÇÃO DA OBRA A GÊNESE - por São Luís

Esta obra vem na hora certa, na medida em que a doutrina está hoje bem estabelecida do ponto de vista moral e religioso. Seja qual for a ...