A HISTÓRIA DE UM FILHO QUE NÃO OBEDECEU



O LIVRO DE JONAS

Jonas é o quinto dos Profetas Menores, cujo empenho foi sempre no sentido contrário. Não fazia o que um profeta deveria fazer.


O Livro de Jonas é uma narrativa poética em prosa hebraica. A mensagem trazida por Jonas é vista pelos primeiros cristãos como símbolo de ressurreição e salvação, onde "Deus salvou o profeta do perigo mortal dele para salvar, por meio dele, um povo gentio". A mensagem usa a ironia até a beira do sarcasmo, pois, Jonas é o antiprofeta que não quer ir aonde o Senhor o envia, nem dizer o que Ele lhe ordena. Trata, portanto, de uma lição sapiencial do profeta teimoso.

Será que quando nos desviamos do caminho e entramos em lugares que não deveríamos o nosso "GPS Divino" recalcula a rota? Parece que sim e essa, também, parece ser a mensagem depreendida do Livro de Jonas, uma vez que a VONTADE DE DEUS será feita na Terra como nos Céus!

Nossa história começa quando o filho de Amati  (Bíblia de Jerusalém) recebe a Palavra de Deus que o envia a Nínive, que é a capital de  um Império agressor e expansionista,  para nela proclamar que a maldade daquela grande metrópole chegara ao fim.

Mas, não é que Jonas resolve fugir para Társis! Assim, desce a Jope onde pega um barco. O seu propósito é ficar longe do Senhor. Então, paga o preço para embarcar. Apesar de não encontrarmos nenhuma informação do autor desse Livro, suspeita-se que a fuga é empreendida em razão do medo que toma conta de Jonas, pois, não seria uma tarefa fácil. Imagine você só e contra um império!

Jonas, então, tendo empreendido a fuga e estando alojado naquele barco eis que O Senhor envia um vento impetuoso (que figura como ministros de Deus,  conforme o Salmo 104:4), o qual levanta uma furiosa tempestade (expressão que representa a manifestação divina nas narrativas bíblicas), a ponto de o barco quase naufragar. Mas, Jonas pensava que estava longe do Senhor. É que, naquele tempo se acreditava que O Senhor habitava em Sião.

Naquele barco, os marinheiros, temendo a tempestade e o mar revolto pelo vento, cada qual gritava ao seu próprio deus, ao mesmo tempo em que lançavam apetrechos no mar para aliviar o navio. Em razão do politeísmo, para a maioria das culturas, não havia apenas Um Deus, mas, diversos deuses.

Jonas, todavia, estando ao fundo do navio, dormia profundamente e a ele chega o capitão da embarcação o acordando e manda que grite (no sentido de proclamar) o teu Deus para que se compadeça de todos e evite o naufrágio onde todos morreriam.

Nesse mesmo tempo, os marinheiros lançavam sorte (costume da época: Js 7; 1Sm 14; Pr 16:33) para ver quem era o culpado por aquela calamidade. Interessante que o autor dessa narrativa nos conta que os marinheiros, a um só tempo, estavam apavorados com a tempestade, lançavam apetrechos no mar para aliviar o peso da embarcação, oravam aos seus deuses e lançavam sorte para saber de quem era a culpa pela tempestade e, ainda irão interrogar o culpado.

Mas, não obstante esse pequeno detalhe, a culpa caiu sobre Jonas, que foi interrogado sobre os motivos daquela calamidade. Jonas afirmou ser hebreu e adorar o Senhor Deus do céu que fez o mar e a terra firme. Os marinheiros, apavorados, compreenderam que Jonas fugia do Senhor (tudo em razão do que ele declarou) e questionaram sobre o que fazer para que o mar agitado se acalmasse. Ele, então, respondeu que seria necessário levantá-lo e lança-lo ao mar, uma vez que ele também sabia que foi por culpa dele que sobreveio a furiosa tempestade.

Apesar de não se encaixarem as perguntas e as respostas, é importante perceber que Jonas reconheceu sua missão (ir a Nínive) e ofereceu sua vida em favor daqueles marinheiros (pois, não seria justo que eles pagassem pelo desvio cometido por Jonas, o qual não foi proclamar em Nínive a Palavra do Senhor).

Todavia, os marinheiros tentaram remar para fugir da tempestade e não fizeram o que fora dito por Jonas de imediato. O caso é que não conseguiram alcançar terra firme, o mar continuou revolto. Nessa hora, invocaram o Senhor e disseram para que Ele não os fizesse responsáveis por sangue inocente, pois, o Senhor poderia fazer o que quisesse. Levantaram Jonas no ar e o lançaram ao mar, e o mar se acalmou em sua fúria. Assim, aqueles pelos quais Jonas dava sua própria vida eram os mesmos que o lançavam ao mar. Contudo, precisamos perceber que ao contrário de suplicarem aos deuses como faziam antes, agora, depois da confissão de Jonas, todos adoraram ao Deus Único, ao Senhor Deus de Jonas.

Em verdade, os marinheiros temeram O Senhor e lhes ofereceram sacrifícios, fazendo votos. E é dessa forma que a imprevista tarefa missionária de Jonas foi um êxito, pois, fugiu do Senhor, mas, ao mesmo tempo pregou em seu nome aos pagãos. Nos parece assim que o livre-arbítrio não é tão livre assim, pois, o "GPS de Jonas recalculou a rota”.

Mas, ainda não era a hora de Jonas e sua salvação veio pela misericórdia do Senhor que enviou em seu socorro um gigantesco peixe para que tragasse Jonas (o engolisse). E Jonas ficou no seu ventre por três dias e três noites. Durante esse período Jonas rezou ao Senhor Deus dizendo que Ele o havia expulsado de sua presença, mas, pedia para ver novamente o seu santo templo. Afirmou, ainda, que Deus tirou sua vida da cova e prometeu cumprir seus votos e lhe ser leal gritando em ação de graças que “a salvação vem do Senhor”.

O peixe, por ordem do Senhor, vomitou Jonas em Terra firme (salvação, conforme Sl 18:17-20). JONAS, ENTÃO, ESTAVA EM NÍNIVE, exatamente a cidade que Deus queria que ele estivesse. Nesse momento Jonas percebe que é impossível fugir de Deus, o máximo que conseguiu foi escapar da morte.

Novamente o Senhor manda que Jonas anuncie o que Ele disser. Jonas, então, caminha pela cidade por um dia dizendo: DENTRO DE 40 DIAS NÍNIVE SERÁ ARRASADA!

Após ter feito o anúncio como Deus havia mandado, Jonas saiu da cidade, se instalou no oriente e fez uma cabana. Ali aguardava o destino de Nínive.  Enquanto isso O Senhor fez crescer uma mamoneira para que fizesse sombra à cabeça Jonas para que não morresse de insolação. Jonas se encantou com a mamoneira.

Ao amanhecer do dia seguinte Deus enviou um verme que danificou a mamoneira e ela secou. Ao esquentar do sol Deus enviou um vento oriental sufocante. O sol abrasou a cabeça de Jonas e o fez desmaiar. JONAS DESEJOU A MORTE dizendo: “É melhor morrer que viver”. Deus, então, disse a Jonas: “e vale a pena irritar-se pela mamoneira?”. Jonas respondeu: “Ah, se vale! Mortalmente”.

O Senhor replicou: “Tu tens compaixão de uma mamoneira que não te custou cultivá-la, que brota numa noite e na outra morre e eu não vou ter compaixão de Nínive, a grande metrópole, em que habitam mais de cento e vinte mil homens que não distinguem a direita da esquerda, e muitíssimo gado?”.

É que, após o anúncio de Jonas, os ninivitas creram em Deus, proclamaram jejum e se vestiram de pano de saco, pequenos e grandes. A mensagem chegou ao rei de Nínive que se levantou do trono e mandou proclamar um decreto real e da corte com o seguinte teor: “Homens e animais, vacas e ovelhas não provem nada, não pastem, nem bebam; homens e animais se cubram com pano de saco. Invoquem fervorosamente a Deus; cada qual se converta de sua má vida e de suas ações violentas. Vamos ver se Deus se arrepende, cessa o incêndio e sua ira e não perecemos”. (no decreto real percebe-se que a criação diante de Deus é igual, pois, os animais foram convidados ao jejum, Sl 36:7; conversão e arrependimento vale para israelitas e pagãos, Ex 32:14; Jr 26:13; 36:7; Jr 18:7s).

Diante da atitude dos habitantes de Nínive Deus não enviou nenhuma catástrofe. Vendo isto Jonas sentiu um grande desgosto, ficou irritado, pois Deus o deixou como mentiroso. E, segundo o profeta Jeremias, 28:9, um profeta é acreditado quando a sua profecia se cumpre.

E foi por isso que Jonas fugiu da presença de Deus quando lhe foi determinada a missão. Jonas sabia que o Senhor “é um Deus compassivo e clemente, paciente e misericordioso”, que ameaça, mas, não cumpre.

Por isso, Jonas disse que era melhor morrer que viver e pediu que o Senhor lhe tirasse a vida, pois, com um Deus justo se podem fazer contas e prever o resultado; Mas, com um Deus misericordioso não se pode fazer cálculos, porque Ele é capaz de perdoar aos maiores adversários, deixando prejudicado o profeta.

Tendo perdido todo o crédito profissional Jonas não queria continuar vivendo. Deus, então, perguntou a Jonas: valeria a pena irritar-se?

O Livro de Jonas ensina que se o homem é capaz de ter misericórdia por algo que não criou, mas lhe apraz, mais razão tem Deus de ter misericórdia por tudo que criou, pois, não há limites para o Amor de Deus.

Nessa passagem o Profeta Jonas é confrontado com seus próprios interesses. Deve pesar se eles são magnânimos ou mesquinhos? Numa análise mais ampla confronta àqueles que se creem bons e desprezam os maus.

Deixa-nos um ponto para reflexão: o que significa ser profeta de um Deus misericordioso?

Para uma análise mais profunda remetemos o leitor para o diálogo entre o Pai com o Irmão Mais Velho em Lucas 15:32, onde conta-se a história dos Dois Irmãos (o Filho Pródigo e o Filho Egoísta).

Supõe-se que o Livro de Jonas, constituído por 04 capítulos e 48 versículos, tenha sido escrito em torno de 800 a.C., uma vez que em 2Rs 14:25 o profeta aparece com nome e sobrenome, anterior a Jeroboão (782-753).

A obra pode ser uma alusão à relutância da nação judaica no cumprimento de sua missão para com os gentios, pois, ensina que Deus é Soberanamente Bom e Justo, cuja Misericórdia alcança aos que se voltam a Ele com coração puro e sincero, independente do critério de nacionalidade ou religião.

Pode ser também, uma profecia referente ao FILHO OBEDIENTE, ou o Segundo Adão nas palavras de Paulo, que viria cumprir a missão que a saga bíblica demonstra, por meio das personagens, que nunca é cumprida na sua integralidade, uma vez que a figura humana está sempre afastada da União e Integração com o Criador. Pois, como no Livro de Jonas, os interesses humanos dos "missionários bíblicos" nem sempre são magnânimos.

Várias passagens desse Livro nos remetem a Jesus: 

a) Jonas é enviado para confrontar um império agressor e expansionista; Jesus, da mesma forma, com o império romano; 

b) Jonas deve divulgar que o mal daquele império chegara ao fim; Jesus Cristo, conforme mensagem contida no item 5 do Capítulo VI do Evangelho Segundo o Espiritismo, é o vencedor do mal;

c) Jonas sabia que o Senhor “é um Deus compassivo e clemente, paciente e misericordioso”; Jesus também sabia; Todavia, Jonas se preocupou com o prestígio humano, Jesus serve a Deus;

d) Jonas queria pregar para um tipo de Justiça: a que promete e cumpre, isto é, uma justiça que exterminaria Nínive; Jesus, como no item do Evangelho acima mencionado, diz: "Meu Pai não quer aniquilar a raça humana. Ele quer que, ajudando-vos uns aos outros [...] sejais socorridos [...];

e) Jonas sabia da própria culpa e que as "tempestades" vinham em razão dos seus atos, mas teve medo de se oferecer em sacrifício; Jesus não tinha culpa alguma e se ofereceu para nossa redenção;

f) Jonas foi tragado por aquele "peixe gigantesco" e ficou em seu ventre por três dias e três noites, depois foi cuspido para a terra firme; Jesus foi crucificado no Planeta Terra e enterrado pelo mesmo período, pois venceu a morte segundo a carne, "porque a morte não existe";

g) Jonas ouve de Deus que Ele terá compaixão de Nínive, a grande metrópole, em que habitam mais de cento e vinte mil homens que não distinguem a direita da esquerda; Jesus, por sua vez, ensina no Capítulo 26 do Livro Boa Nova, intitulado A Negação de Pedro que "o homem do mundo é mais frágil do que perverso".

Mas, as possibilidades são variadas e você poderá "ver" outras ligações. Então, conta pra gente sua experiência e nos informe outras variáveis.

Nenhum comentário:

ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA – O LIVRO DOS ESPÍRITOS – LIVRO SEGUNDO – PARTE 82

– CAP. IX – INTERVENÇÃO DOS ESPÍRITOS NO MUNDO CORPÓREO – XI – DOS PACTOS – (Questões: 549 a 550) – Paira em torno do Esp...