RETRATO DE UMA SOCIDADE ENFERMA




Abra o Jornal, impresso ou eletrônico. As notícias referem-se a polêmicas por diferenças de opiniões. Ofensas em razão do desrespeito recíproco ao direito de livre manifestação do pensamento. Uma ferrenha disputa pelo lugar de “dono da verdade”. Animosidade traduzida em suas piores consequências: fratricídios, parricídios, infanticídios, feminicídios, homicídios, suicídios e tantos outros nomes atribuídos ao ato de “matar”.

Quando a falta de amor não termina assim, em trágicas mortes, ocasiona uma infinidade de doenças. NOSSA SOCIEDADE ESTÁ DOENTE E A DOENÇA MOSTRA SUA CARA! SUA PIOR FACE... Quem deve administrar não administra; quem deve ensinar não ensina; quem deve julgar não julga; quem deve segurança não se desincumbe; quem deve educar não educa; Parafraseando Roberto e Erasmo: todos perdidos nos pensamentos poluídos pela falta de amor! A sociedade “esqueceu” seus deveres... Diante disto voltam a pulular teorias hobbesianas para dizer o mínimo. “Doentes” se reconhecendo “médicos” afirmam ter “cura” e “patenteiam” “remédios infalíveis”. (muitas aspas e metáforas).

Sem receita, observo. A origem dos males tem sede em nós mesmos. Queremos ser donos, verdadeiros proprietários, dos indivíduos que nos rodeiam. Queremos ser servidos em lugar de servir. Queremos falar em lugar de ouvir. Queremos ser compreendidos em lugar de compreender. Queremos receber sem nada oferecer.

Na sociedade dos “donos da verdade” o que temos? Indivíduos de difícil trato, impulsivos de pavio curto que explodem ante uma opinião diferente, não economizam palavras ofensivas, são intolerantes e não fazem qualquer rodeio para aviar uma ofensa. Em todo campo são fanáticos. Intransigentes, não vivem e não permitem uma convivência pacífica. Nessa faixa de vibração se desculpam na “cegueira pela raiva que lhe fizeram” e cometem as piores atrocidades contra outros e a si mesmos.

Seria cômodo apontar o dedo, mas, assim somos todos. Não atendidos apresentamos o pior em nós. Nada a ver com “lado" animal, eles são superiores. Em verdade, cada criatura com os sentimentos que lhe caracterizam a vida íntima emite raios específicos e vive na onda espiritual com que se identifica (Emmanuel).*

Estamos certos que não basta à criatura apegar-se à existência humana, mas precisa saber aproveitá-la dignamente; que os passos do cristão, em qualquer escola religiosa, devem dirigir-se verdadeiramente ao Cristo, e que, em nosso campo doutrinário, precisamos, em verdade, do Espiritismo e do Espiritualismo, mas, muito mais, de Espiritualidade (Emmanuel).*

*Nos Domínios da Mediunidade e Nosso Lar (prefácio).

Nenhum comentário:

ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA – O LIVRO DOS ESPÍRITOS – LIVRO SEGUNDO – MUNDO ESPÍRITA OU DOS ESPÍRITOS – PARTE 65

CAPÍTULO VII – RETORNO À VIDA CORPORAL – VII – SIMPATIAS E ANTIPATIAS TERRENAS  VIII ESQUECIMENTO DO PASSADO – (Questões: 386...