segunda-feira, 26 de abril de 2021

O QUE É PRECISO SABER ANTES DE LER MENSAGENS E OBRAS MEDIÚNICAS?


Talvez você esteja estranhando o título deste artigo. Não há nada de anormal, caso o (a) leitor (a) sinta-se surpreendido (a). Esse assunto parece um verdadeiro tabú entre os adeptos do Espiritismo. A Doutrina Espírita, na sua integralidade e, digamos, pureza (um termo que não deve ser lido com viés de fundamentalista), é pouco ou nada conhecida entre a grande massa daqueles que aderiram ao denominado movimento espírita. Antes de dar sequência ao tema central, apresentaremos o que significam algumas expressões usadas nesse texto.

Entendemos que Espiritismo é a palavra usada por Allan Kardec para identificar a ciência filosófica dos Espíritos. A Doutrina Espírita é o conteúdo dessa ciência filosófica transmitido a Allan Kardec por meio do ensino dos Espíritos. Espírita é o indivíduo que conhece e pratica o Espiritismo tal qual ensinado pelos Espíritos e codificado por Allan Kardec. Movimento Espírita é o conjunto de indivíduos que simpatizam-se pelo Espiritismo, ainda que não tenham conhecimento da Doutrina Espírita ou pratiquem o Espiritismo como estilo de vida, em face do conteúdo filosófico contido na sua Doutrina.

Nenhuma das explicações acima buscam fazer do (a) leitor (a) um (a) seguidor (a) das significações, mas, serve para dar sentido ao que será exposto como tema central. Dessa forma será possível compreender a formulação do pensamento, do raciocínio, em última instância, do processo intelectivo que o autor empresta aos saberes esposados, proporcionando uma dialética saudável. Estamos procurando nos entender quanto as palavras.

De plano, responderemos à indagação que esconde atrás de si uma crítica desconstrutiva e que não parte de Espírita nenhum, mas, dos simpatizantes que não pretendem SER Espíritas. O que há contra as mensagens e obras mediúnicas? Respondemos objetivamente: NADA. Somos, inclusive favoráveis que existam. Abstraindo daquelas mensagens e obras que são frutos de fraude, é preciso recordar que a Doutrina Espírita não é uma concepção puramente humana. Foram os Espíritos que a revelaram. Contudo, quem é contrário ao controle universal do ensino dos Espíritos tem a pretensão de possuir sozinho a verdade absoluta.

Sem nenhum controle seria necessário crer sob palavra, isto é, que o conteúdo teria origem séria e que haveria ABSOLUTA sinceridade de sua parte, negando que o ser humano pode enganar a si mesmo e aos outros. Nem todo equívoco ou engano é fruto do DESEJO de enganar. Os erros e a falibilidade é inerente aos seres imperfeitos no processo evolutivo, sejam encarnados ou não.

Recordando o conteúdo apresentado por Allan Kardec em O Evangelho Segundo o Espiritismo no item II da Introdução, verificamos que ele apresenta a autoridade da doutrina espírita e o controle universal do ensino dos Espíritos, em que discorre sobre a variedade de comunicações dos Espíritos por toda parte, todos os povos, entre todas as ceitas e todos os partidos. Vale dizer que o Espiritismo não possui qualquer privilégio na recepção de mensagens do mundo espiritual.

O codificador reporta à necessidade de submissão, SEM EXCESSÃO, de tudo que venha dos Espíritos, ao controle da razão. Ou seja, mesmo que exista uma variedade de fontes, qualquer teoria em contradição com o bom-senso e com uma lógica rigorosa, confrontando com os dados positivos que possuímos sobre qualquer tema, por mais respeitával que seja o nome que assine a comunicação, DEVE SER REJEITADA.

Observe que Kardec é objetivo quanto ao bom senso. É que todos possuem senso, pois, cada ser encarnado é dotado de sentidos humanos. O bom-senso decorre do processo intelectivo racional, cujo fio condutor é o conhecimento adquirido por meio de DADOS POSITIVOS.

Não é por que alguém aceita ou deixa de aceitar a teoria que faz dela algo racional. Sabemos que, em muitos casos, o conhecimento é incompleto, insuficiente para emissão de uma opinião, caso em que é necessário abster-se de opinar. Aqui não se trata de qualquer interdição ao debate, apenas recordar que esse é travado por aqueles que possuem o conhecimento do tema proposto, a fim de que todos os participantes estejam cientes do assunto e conteúdo daquilo que é o objeto de estudo. 

Exemplificando: os médicos falam da ciência médica e os advogados falam da ciência jurídica; ambos podem tratar do assunto referente à ciência do outro, mas, é necessário CONHECIMENTO PRÉVIO, sem o qual não poderão se entender. Por isso que, em Espiritismo, o essencial de uma mensagem é verificar sua origem, sua fonte. É ela produto da concordância de revelações feitas ESPONTANEAMENTE, por meio de um GRANDE NÚMERO DE MÉDIUNS, estranhos uns aos outros, em diversos lugares?

Allan Kardec afirmou que tudo que se refira a PRINCÍPIOS ESPÍRITAS é ensinado ESPONTANEAMENTE, ao mesmo tempo, em diferentes lugares, de maneira idêntica (senão pela forma, ao menos quanto ao fundo). Para bem compreender essa questão, remetemos o (a) interessado (a) para a obra acima mencionada, onde pode-se fazer um estudo aprofundado e sério acerca do assunto. Vamos à conclusão.

O que é preciso saber antes de ler mensagens e obras mediúnicas? Essa pergunta nos leva às questões atinentes à razão, lógica e bom-senso acima mencionadas e que devem ser meditadas na fonte indicada (E.S.E., Allan Kardec). Mas, diante do legado de Allan Kardec, o que devemos conhecer primeiramente, com profundidade, de modo grave, sério? Trata-se da ESCALA ESPÍRITA. É nela que encontraremos as informações sobre cada classe de Espíritos e cada ordem a que pertencem.

O tipo de linguagem que usam, quais os seus objetivos, como são ou não são influenciados pela matéria, sua falibilidade e infalibilidade, o que podem ensinar ou não, qual a responsabilidade de cada um com referência ao conteúdo da mensagem, se respondem a tudo ou não, enfim, todos os elementos que possibilitam ao Espírita verificar e até testificar o conteúdo da mensagem ou da obra mediúnica.

O Espírita, diante da mensagem ou da obra mediúnica, avaliando-a por meio dos elementos citados, será respeitoso, apresentará críticas, afastará a credulidade cega e terá uma ideia mais próxima da realidade do mundo espiritual, uma vez que, somente os Espíritos Puros podem dar a exata ideia de como é, verdadeiramente, essa realidade.

Os Espíritos Puros até se comunicam, todavia, muito raramente. Portanto, tudo o que podemos saber sobre o mundo moral é uma ideia mais próxima da sua realidade, desde que se possa aferir a superioridade ou inferioridade do Espírito comunicante, o que ocorre quando o Espírita possui profundo conhecimento das minúcias contidas na Escala Espírita apresentada por Allan Kardec em O Livro dos Espíritos. É que, somente os Espíritos Puros possuem superioridade intelectual e moral absoluta em relação aos Espíritos das outras ordens e não sofrem NENHUMA influência da matéria, pois, não precisam reencarnar e passar por provas e expiações.

O fato de não estarem sujeitos às necessidades e problemas da vida material proporciona que compreendam a realidade do mundo espiritual, enquanto que os demais podem ser mais ou menos obscurecidos em razão da influência que sofrem da matéria (em maior ou menor grau). Eis o que, a nosso ver, é preciso saber antes de ler mensagens e obras mediúnicas, caso o desejo do interessado seja se instruir quanto à realidade do mundo espiritual.

Uberaba-MG, 26 de abril de 2021.
Beto Ramos.

2 comentários:

  1. Nós, que pretendemos ser ESPÍRITA, estamos aprendendo a analisar, para não julgar sem conhecimento. Os simpatizantes, que não pretendem ser Espíritas só vão nos ajudar, impulsionando a busca...

    ResponderExcluir
  2. Olá, entendo e respeito seu posicionamento. No entanto, peço vênia para reafirmar o que escrevemos no texto. Quem desejar estudar o assunto precisa se aprofundar, conhecer e estudar seriamente o Espiritismo, cuja Doutrina só se encontra nas obras de autoria de Allan Kardec.Todo o mais são escritos (mensagens ou obras mediúnicas) que só podem se manter de pé enquanto em acordo com a Doutrina. Por isso que existem os critérios de análise das mesmas.

    ResponderExcluir

Comente. Debatemos sem disputar.

DESTAQUE DA SEMANA

FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO

Por que nós fazemos o que fazemos? Há uma lei de regência das ações humanas? Os atos humanos só foram praticados porque estavam escritos? Se...

MAIS VISITADAS