Seguidores

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

HOMEM DE BEM, FAMÍLIA & PÁTRIA, SEGUNDO O ESPIRITISMO


"Os maiores enganos do ser humano são provenientes dos sofismas das paixões".






1. O HOMEM DE BEM

Nos "Colóquios de Sócrates com seus Discípulos" (in Resumo da Doutrina de Sócrates e Platão, Evangelho Segundo o Espiritismo, Introdução, Allan Kardec), quando encontrava-se na prisão, acusado que fora, entre outras coisas, de corromper os jovens, o filósofo declarou:
“Vês, Cálicles, que nem tu, nem Pólux, nem Górgias podereis provar que devamos levar outra vida que nos seja útil quando estivermos do outro lado. De tantas opiniões diversas, a única que permanece inabalável é a de que mais vale receber do que cometer uma injustiça e que, acima de tudo, devemos cuidar, não de parecer, mas de ser homem de bem”.

Desde a antiguidade a ideia da moral que deve reger a conduta humana está presente na história da evolução. Quem é o verdadeiro homem de bem? Eis a questão. Segundo a Doutrina Espírita, é aquele que cumpre a Lei de Justiça, de Amor e de Caridade, na sua maior pureza. Mas, como ocorre o processo? É algo interno, íntimo do ser, ou vinculado ao exterior e estranho aos sentimentos que o move?

No Evangelho Segundo o Espiritismo, para cumprir essa lei do modo mais sincero, é necessário que o indivíduo se interrogue acerca dos próprios atos, pesquisando se a violou ou não. Para tanto, no exame interno, observa:
  • Se não praticou o mal e se fez todo o bem que podia;
  • Se desprezou voluntariamente alguma ocasião de ser útil;
  • Se ninguém tem qualquer queixa dele;
  • Se fez ao outro tudo o que deseja que o outro lhe faça.

É claro que estamos tratando de um indivíduo cuja fé é em Deus, na sua bondade, na sua justiça e na sua sabedoria, o qual não busca forças em coisas ou pessoas, pois, conhecendo a soberania do Criador, submete-se à suas Leis Naturais. E sua base é o conhecimento de que a alma é imortal, por isso coloca os bens espirituais acima dos bens materiais.

Trata-se da consciência da vida espiritual. O verdadeiro ser humano de bem sabe que todos os problemas da vida, tais como as dores, decepções, etc., são provas ou expiações e, certo de que tudo é fruto das próprias escolhas, ações ou omissões, com consciência, as aceita sem murmurar.

Percebe-se que esse modelo de indivíduo está possuído por caridade e amor ao próximo e se elevou, em grau, na escala espírita. O ser humano de bem é impulsionado pelo amor ao próximo, pois, cuida primeiro dos interesse dos outros. Ele faz o bem pelo bem e não espera nada em troca. Até o mal, retribui com o bem.

O homem de bem é bom, humano e benevolente com todos. Em qualquer ocasião toma a defesa do fraco contra o forte e sacrifica sempre os seus interesses para fazer prevalecer a justiça. Por isso, encontra felicidade nos benefícios que espalha, nos serviços que presta, na felicidade que leva aos outros, nas lágrimas que enxuga e nas consolações que espalha aos aflitos.

Não é difícil perceber que o verdadeiro 'homem de bem' NÃO É PRECONCEITUOSO, pois, respeita nos outros todas as convicções sinceras e não lança críticas aos que não pensam como ele. Claro está que não faz qualquer distinção de etinias ou crenças. Vê todos os demais como irmãos.

Guiado pela caridade, não alimenta ódio, rancor ou desejo de vingança. Perdoa e esquece as ofensas, lembrando apenas do bem que recebeu. Sua consciência é clara acerca da sorte que aguarda o que prejudica o outro com ofensas, ferindo o ponto fraco alheio com orgulho e desprezo, principalmente, quando é possível evitar. Sabe que quem causa sofrimento ou contrariedade, faltando ao dever de amor ao próximo, experimentará reencarnações para corrigir suas imperfeições.

Desta maneira, compreende que o único caminho é ser indulgente com as fraquezas alheias, uma vez que sabe que no processo evolutivo contínuo e perpétuo, é, também, um Espírito imperfeito.

Quem desejar ser, e não somente parecer um ser humano de bem, precisa reconhecer que todos estão na Terra para evoluir moralmente e progredir intelectualmente, sendo que atingirá a meta somente quando não mais precisar reencarnar. Por isso, o exame é contínuo. Deve-se estudar as próprias imperfeições e trabalhar incessantemente para combatê-las.

Quem reconhece os próprios defeitos não sente prazer em identificar e apontar os defeitos alheios. Quando isso é necessário, é preciso procurar qual o bem que pode atenuar o mal feito.

Atingir o grau na escala espírita onde o indivíduo está possuido pela caridade e amor ao próximo é uma luta que exige empregar todos os esforços para ser melhor no dia seguinte, do que na véspera.

Reencarnados, ostentando as diversas posições sociais, gêneros de provas e pontos de vistas distintos, é preciso considerar o melhor estilo de vida. O Espiritismo ensina não se vangloriar como Espírito ou como ser humano às custas dos outros, bem como não se envaidecer com riqueza ou vantagens pessoais. Pois tudo é transitório.

Assim, é necessário usar e não abusar dos bens que possui, pois, se trata de um depósito cuja conta é prestada após a morte. Por isso é que não se deve empregar todo esse patrimônio emprestado para satisfação das paixões.

Toda ocasião é momento para ser útil. O verdadeiro homem de bem procura ser proveitoso aos outros. É assim que, como superior, exerce liderança e não chefia. Usa de tratamento bondoso e benevolente, pela razão de que todos são iguais perante Deus. A autoridade é melhor empregada para levantar o moral e não para esmagar com orgulho. É sempre possível amenizar a condição de subalternidade do outro. No caso do subordinado, há compreensão completa dos deveres da posição que ocupa e se empenha em cumprí-los conscienciosamente.

As qualidades morais (boas ou más) do ser humano expressam o caráter do Espírito nele encarnado. O homem de bem é um bom Espírito, enquanto que o vicioso é um Espírito imperfeito. Ninguém, todavia, está voltado para o mal eternamente, uma vez que esse estado é apenas por falta de conhecimento.

A preocupação principal do homem de bem é estudar as leis que regem o Espírito e as colocar em prática. Mas, há qualidades que podem fazer pensar que o seu detentor é homem de bem. Todavia, apesar de ser qualidades reais que mostram progresso, verifica-se que não suporta qualquer ataque ao interesse pessoal.

Uma das características do homem de bem é o completo desapego às coisas materiais. A elevação do Espírito que demonstra progresso real é observada quando ele põe em prática a Lei de Deus na vida corporal, antecipando a compreensão da vida espiritual.

2. FAMÍLIA

O Espírito que reencarna com vistas à evolução intelecto-moral é membro de uma família. Para bem se compreender e definir família, segundo o Espiritismo, é preciso saber quem somos, como vivemos e de onde viemos.

Julga-se bastante a matéria, mas, como visto, o ser humano de bem é aquele que busca compreender a vida espiritual. É preciso reconhecer essa verdade: o corpo procede do corpo, mas, o Espírito não procede do Espírito. Entre descendentes das etnias nada mais existe do que consaguinidade.

O Espírito é criação divina. O corpo humano é um instrumento. Portanto, antes da encarnação, no espaço, os Espíritos formam grupos ou famílias entrelaçadas pela afeição, simpatia e semelhança de inclinações. Por isso, eles se buscam reciprocamente.

A encarnação os separa momentaneamente, mas, ao voltarem ao mundo espiritual, novamente se reúnem como amigos que voltam de um viagem. Todavia, na reencarnação, é possível que constituam uma mesma família buscando o adiantamento mútuo.

Entre a família espiritual existe afeição real, de alma para alma, a qual NUNCA termina com a morte. Por outro lado, as afeições surgidas na matéria, corporais, dos sentidos ou, exclusivamente, por interesses, nada significam para os Espíritos. Entre famílias corporais poderão reencarnar Espíritos simpáticos ou não. Tudo depende do gênero de provas que devam experimentar para o progresso individual.

3. PÁTRIA

Finalmente, chegamos à ideia de pátria. E, para isso, vamos responder às indagações feitas no tópico família. Todos somos Espíritos, viemos do mundo espiritual e é para lá que retornaremos após a morte, pois, a alma é imortal e o processo evolutivo é perpétuo e contínuo.

O mundo espírita é o mundo normal, primitivo, eterno, preexistente e sobrevivente a tudo, conforme se depreende da Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita. O mundo espírita é o principal na ordem das coisas. O mundo físico poderia deixar de existir, poderia nunca ter existido e isso não altera a essência do mundo espírita. Ambos os mundos são independentes, pois cada um possui as leis naturais próprias que os rege. Há, contudo, uma incessante correlação e reação entre ambos, o que não desnaturaliza sua independência.

Por todo o exposto, é preciso ponderar e meditar com seriedade quando ousamos conceituar preconceituosamente homem de bem, família e pátria. É possível estar atraindo maiores responsabilidades que a suposição permita compreender.

Uberaba-MG, 20/10/2021.
Beto Ramos.

BIBLIOGRAFIA:
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo.
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos.

MATERIAL DE APOIO:
Baixar slides AQUI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente. Debatemos sem disputar.

DESTAQUE DA SEMANA

O ATO DO DEVER MORAL E A CARIDADE DESINTERESSADA

Quem não tem dúvidas, certamente, é porque não estuda. E, por falar nisto, vejamos quantas perguntas estão presentes apenas em uma proposta ...

MAIS VISITADAS