Seguidores

domingo, 26 de dezembro de 2021

O PASSE MAGNÉTICO NA OBRA DE ANDRÉ LUIZ (ESPÍRITO)


É comum ouvir relatos no meio espírita acerca do passe magnético. Principalmente quanto à sensações de que algo parece sair das mãos do magnetizador. Alguns dizem que houve aquecimento em suas mãos, outros que há certo formigamento.

Certos médiuns relatam terem 'visto energia ou fluido vital' sendo transmitido para o paciente. Fala-se, inclusive, de cores, entre outros argumentos para fundamentar uma ideia de que haveria 'alguma coisa sendo transferida do magnetizador para o paciente'.

Existem relatos de que essas afirmações estariam em acordo com o conteúdo das obras de André Luiz. Trata-se de um Espírito que se comunicou pela mediunidade de Francisco Cândido Xavier e que produziu uma obra de fôlego.

Primeiramente, é necessário esclarecer que há uma crítica importante às obras desse e de outros Espíritos, cujas mensagens não foram submetidas ao Controle Universal do Ensino dos Espíritos, método adotado por Allan Kardec a partir da ciência histórica que, ao seu turno, adotava o método dos testemunhos.

No Espiritismo, além dos testemunhos e relatos dos diversos Espíritos, por vários médiuns, desconhecidos entre si e em várias localidades espalhadas pelo planeta, Kardec, também, incluiu, conforme ensinou Paul Janet, a lógica, a razão e o bom-senso na análise das comunicações.

Feita essa ressalva, a intenção nesse texto não é criticar a obra do Espírito, mas, lado outro, aproximar os conceitos apresentados nos livros e demonstrar que há equívoco dos que defendem a ideia de 'alguma coisa sendo transmitida pelas mãos do magnetizador durante o passe', posto que esse não é, definitivamente, o que postulou André Luiz.

Para esse estudo pesquisamos em 02 (dois) livros de autoria de André Luiz, ditados pela via mediúnica à Francisco Cândido Xavier e 01 (hum) ditado a este e a outro: Waldo Vieira. Além de outra fonte bibliográfica principal que deixaremos ao final do texto.

Inicialmente, uma preciosa lição deve orientar o nosso trabalho e a sua leitura. Trata-se do que Kardec chamou de 'a perfeita compreensão'. O que deve permear toda investigação e etudo sério. Conforme ensinou o Codificador em O Evangelho Segundo o Espiritismo: 'não basta crer, é preciso antes compreender'.

Você sabia que André Luiz relata que um dos Espíritos instrutores a que teve acesso viveu na França, conheceu Mesmer e, após, em nova reencarnação apreciou os trabalhos realizados por Allan Kardec? Que o seu interesse era pela mediunidade e o magnetismo?

Verifique, ainda, que sobre os fenômenos mediúnicos de psicografia, 'incorporação e materialização', André Luiz afirma que estudou apenas 'de leve', o que, confessa, é muito pouco em razão da complexidade da mediunidade.

Partindo para o tema proposto, veja que André Luiz demonstra que há equívoco nas afirmações de quem adota a teoria de transferência de fluidos entre magnetizador (no Brasil denominado 'passista') e o paciente. Nas palavras de um dos instrutores há o esclarecimento de que todo fenômeno mediúnico tem por base a mente.

Além disto, usa a expressão 'arrojar a energia atuante do próprio pensamento', cujo resultado é criar em torno do indivíduo o ambiente psíquico que é particular a cada um. Perceba, ainda, o processo: a interação entre indivíduos ocorre pela 'energia mental'. E, o mais importante: é a mente do Espírito quem imprime vontade e direção ao pensamento.

 
André Luiz narra que as ideias, isto é, o produto dos pensamentos resultantes da vontade do Espírito, cuja direção é impressa, transmite-se por onda e em frequência própria. Não é outro o conceito de Mesmer quanto ao magnetismo animal. Veja que não há relato de nada sendo transferido de um indivíduo para outro. Fala-se tão somente em PENSAMENTO.

Na imagem a seguir temos uma inteligência emissora do pensamento e uma receptora deste:



Quanto à sintonia, questão trabalhada por Allan Kardec junto aos Espíritos Superiores, a fim de solucionar a maior ou menor facilidade de comunicação, ou mesmo sua impossibilidade, além de curas instantâneas ou dificuldades em apenas aliviar uma dor física, André Luiz não reporta nada diferente, mas, deixa claro que a sintonia ocorre por meio de ondas, as quais assimilamos, em razão das quais imprimimos a direção.

Alerta, inclusive, para a questão do conhecimento do tipo de onda mental que assimilamos. Portanto, uma magnetização deve ser precedida de uma anamnese do paciente.

Interessante que André Luiz traz "algo novo" para a questão do passe magnético e da cura, o que não se constituirá em 'novidade' no sentido pejorativo. Apenas introduz as descobertas científicas ao assunto. Kardec falou em contato molecular. André Luiz fala em contato celular, coforme veremos a seguir.

Antes de prosseguirmos, em razão de que há muitos adeptos da tese de 'transmissão de alguma coisa do passista para o paciente', é necessário verificarmos alguns conceitos importantes na obra de André Luiz, vejamos:

A matéria é energia tornada visível, que, ao seu turno, é força divina que utilizamos nos mundos onde a matéria se expressa em variados estados de vibração. Ficou meio confuso? É que os Espíritos utilizam os fluidos espirituais ou perispirituais. Como eles usam? Através da vontade que movimenta o pensamento gerando o turbilhão de forças por meio da indução.

Se você está pensando na aula de física, não é outra coisa. É física pura:


Veja que André Luiz utilizou a expressão matéria mental para referir-se a fluidos espirituais e perispirituais. Verifique, agora, o que diz Allan Kardec a respeito:


Lembra que falamos que Allan Kardec referiu-se ao contato entre perispírito e corpo físico por meio de moléculas? Pois bem, no século 19, entre os anos 1840 a 1870, estudava-se as células. André Luiz vai incorporar a ciência no conceito, mas, não modificará em hipótese alguma o que foi ensinado pelos Espíritos Superiores acerca do processo de cura.

E, é bom lembrar, Kardec sempre afirmou que no avanço da ciência, o Espiritismo estaria em conformidade com esta.

Vamos, agora, encaminhar a questão para o passe magnético e a cura. Observaremos que André Luiz compreende o processo conforme o que foi ensinado pelos Espíritos Superiores. Na obra A Gênese verifica-se  interação entre o perispírito e o corpo físico, bem como a causa de certas doenças ser a má natureza dos fluidos espirituais que o Espírito mantém contato e os transmite para o corpo físico:



Veja que André Luiz no livro Evolução em Dois Mundos observa a teoria celular, isto é, o contato do perispírito com o corpo físico ocorre por meio dos bilhões de células que compõem cada órgão e possuem funções exclusivas e trabalhos específicos.

O comando desses bilhões de células é do Espírito:

Importante esclarecer que os espíritas que defendem que o Espiritismo não preconiza a Teoria Moral Autônoma e que Francisco Xavier teria recebido mensagens contrárias a essa teoria, ficando silente e não denunciando, parece, a nosso sentir, estarem equivocados. Não há denúncia mais perfeita que publicar um livro onde há a seguinte mensagem:


Se ainda paira alguma dúvida, perceba que a dor física não passa de sofrimento meramente físico, o qual constitui-se em alarme para que se inicie o procedimento de socorro físico ou espiritual. Nesse caso temos: sofrimento moral no Espírito e sofrimento físico no encarnado.


Para encerrar esse trabalho vamos colacionar como ocorre o processo de autocura na obra de André Luiz. Se você é partidário da teoria do fluido vital, pela qual "alguma coisa é transferida pelo magnetizador ao paciente", certamente isso não deve ser creditado como culpa de André Luiz. Sua teoria é outra, veja:


Verifique que a questão da vontade e do pensamento, com o fim de restaurar a confiança do paciente para soerguer sua vontade e este, autonomamente, inicie o processo de cura comandando seus bilhões de células, é o mesmo da Teoria Espírita e da Teoria de Mesmer quanto à cura pelo passe magnético.


Deixamos aqui a nossa contribuição e esperamos ter deixado claro que NÃO HÁ NA TEORIA ESPÍRITA, NA TEORIA DE MESMER E NA TEORIA DE ANDRÉ LUIZ, transferência de fluido vital do magnetizador para paciente. Também não há transferência de energia. Não se opera transfusão de nada.

O que será "inoculado no paciente" é o pensamento do magnetizador, o qual precisa que esse pensamento seja assimilado (sintonia). O processo ocorre por meio da vontade que coloca esse pensamento em movimento, sendo transmitido por meio de ondas eletromagnéticas. Quem fica pensando em "transferir alguma coisa de si para o outro", certamente, não estará pensando na coisa correta que é:
"DESEJO QUE A VONTADE DO MEU (MINHA) IRMÃO (IRMÃ) SEJA FORTALECIDA NO BEM E QUE ELE QUEIRA DETERMINAR AO SEU CASULO CELULAR QUE INICIE O PROCESSO DE RESTAURAÇÃO DA HARMONIA ORGÂNICA PERDIDA. QUE O PACIENTE, A PARTIR DE AGORA, SÓ MANTENHA ESSE FOCO NO PENSAMENTO".
Agora que você já sabe como é o processo, poderá fazer um trabalho eficaz junto aos pacientes que serão magnetizados. Faça uma entrevista antes, veja qual é o sofrimento físico do paciente e analise o sofrimento moral porventura existente. Com essas informações você poderá direcionar seu pensamento por meio de sua vontade permanente no bem para alívio ou cura do órgão ou órgãos afetados do paciente.

Isto não é tudo, mas é um caminho.

Uberaba-MG, 26/12/2021
Beto Ramos.

FONTES BIBLIOGRÁFICAS:
FIGUEIREDO, Paulo Henrique. Antonomia - a história jamais contada do Espiritismo. São Paulo: FEAL, 2019.
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo.
________. A Gênese. São Paulo: FEAL, 1868 (2018).
________. O Livro dos Médiuns.
XAVIER, Francisco C.; VIEIRA, Valdo. Evolução em Dois Mundos. Brasília: FEB, 2013.
________. Nos Domínios da Mediunidade. Brasília: FEB, 2013.
________. Mecanismos da Mediunidade. Brasília: FEB, 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente. Debatemos sem disputar.

DESTAQUE DA SEMANA

O AGENTE MORAL, SUAS PAIXÕES E VÍCIOS.

  Retomando a ideia a partir do nosso último artigo, é importante ter sempre em mente que o s caracteres humanos não são imutáveis . T odos ...

MAIS VISITADAS