Seguidores

quarta-feira, 22 de dezembro de 2021

A CURA PELO PASSE MAGNÉTICO

 

Para a MEDICINA tradicional a doença e a cura vêm de causas externas. O ser humano é bombardeado pelo meio em que está situado e será o que lhe rodeia, coisas visíveis ou invisíveis a olho nu, que vão lhe causar os males físicos. Pelo mesmo raciocínio, a cura somente poderá advir de causas igualmente externas (remédios, chás, sangrias, amputações, radiações e outras tantas estratégias).

No século 19 acreditava-se que CURAR SERI EXPULSAR O MAL DO CORPO. E, somente por TRATAMENTOS feitos por MÉDICOS poderiam ‘expulsar’ esse mal. A lógica é a mesma de certas religiões para as quais havia a hipótese de que certos males seriam causados por demônios, os quais, também, precisavam ser expulsos do corpo do individuo. E, somente, religiosos habilitados poderiam EXORCIZAR o indivíduo.

Esse é o cenário do século 19 em que o Espiritismo moderno chegou à Terra:

Figura 1

Para bem se compreender melhor o assunto CURA PELO PASSE MAGNÉTICO é necessário voltar ao século 18 para conhecer a figura de FRANZ ANTON MESMER.

Mesmer nasceu em Constança, na Suábia, região que hoje pertence à Alemanha, no dia 23 de maio do ano de 1734. De família católica, em 1743, foi encaminhado pelos pais a um monastério em Constança onde, durante alguns anos, estudou línguas, literatura clássica e música.


Em 1750 ingressou na Universidade da Companhia de Jesus na Baviera onde estudou filosofia chegando ao doutorado. Ali encontrou as obras de Galileu, Descartes, Leibniz, Kepler, Newton e outros.

Em 1754 iniciou o curso de teologia na Universidade da Baviera e cinco anos depois, na Universidade de Viena da Áustria, dedicou seu 1º ano na instituição ao estudo das leis e se transferiu depois para o curso de medicina, considerado o melhor da Europa.

Depois de seis anos de estudo conquistou o Doutorado com a sua Dissertatio physico-medica de planetarum influxu (Dissertação físico-médica sobre a influência dos planetas), sob a égide de Newton e talvez de Paracelso. Em sua dissertação usa pela primeira vez o conceito de fluido universal.

Figura 2


O primeiro tratamento por meio do magnetismo animal feito por Franz Anton Mesmer teve início em 1773. A paciente foi uma parenta de sua esposa e amiga da família Mozart, Franziska Esterlina, uma senhorita de vinte e nove anos, bastante debilitada.

Com a pouca acolhida dada à sua descoberta, em 1775 Mesmer se determinou a nada mais realizar publicamente em Viena. Viajou para diversos países da Europa anunciando a sua descoberta (Suábia, Baviera, Suíça, Hungria e outros países). Publicou uma Carta ao povo de Frankfurt, que representa uma importante fase do desenvolvimento de sua teoria. Em 5 de janeiro, publicou em jornais e panfletos uma Carta a um médico estrangeiro esclarecendo a terapia do magnetismo animal.

Em 1776, Mesmer deixou de fazer uso do ímã como simples condutor do magnetismo animal, para evitar mal-entendidos por parte dos médicos e físicos. Continuou a usar água, garrafas e barras de ferro. Publicou Cartas sobre a cura magnética, esclarecendo a sua tese de doutorado, e as enviou, como divulgação, a alguns médicos. No ano seguinte, Mesmer aceitou como paciente a famosa pianista Maria Theresia Von Paradis, curando sua cegueira e gerando controvérsias.

PROCESSO DO MESMERISMO:

A teoria e a prática da cura proposta por Mesmer considerava o uso de um método com os seguintes recursos:

  •        Passes
  •        Água fluidificada
  •        Imposição de mãos

Mesmer propôs que “a vontade forte de uma pessoa bem intencionada sobre outra doente, pelo contato ou não, e até a certa distância, pode fazer agir uma força vital do “mesmerizador” sadio dotado deste poder sobre outra pessoa dinamicamente”.

Para esse processo são necessários sintonia e vontade para incitar o processo natural de cura próprio do paciente.

Em suas pesquisas Mesmer descobre que era possível provocar o sonambulismo em outra pessoa, cujos sentidos ganham uma profunda ampliação. Em uma das experiências feitas com o grão de pão demonstrou a ampliação da percepção por meio da constatação dos sabores: farinha, sal, fermento, etc. (tudo em separado).

As faculdades ampliadas detectadas no sonâmbulo foram:

  •    Visão à distância
  •    Previsão de fatos futuros
  •   Exames internos de doentes (o sonâmbulo via o interior do organismo)
  •    Descrição de doença
  •    Sugestão de tratamento
  •    Previsão a cura

Mesmer chamou isto de lucidez sonambúlica. O objeto de seus estudos era a alma, por meio do método científico, não havendo nada sobrenatural, nem espírito de sistema.

Constatou-se que a alma age por meio da VONTADE sobre o corpo, como FONTE DE FORÇA necessária para RESTABELECER A SAÚDE. Mesmer descobriu que o princípio da cura está no próprio indivíduo. O processo de cura é de dentro para fora. É no organismo do indivíduo doente que se inicia, intimamente, o processo de cura.

Conforme a Teoria Geral todos os fenômenos naturais (luz, som, eletricidade, calor, etc.) seriam propagados por meio de uma VIBRAÇÃO, nos diversos graus de fluidez do FLUIDO UNIVERSAL.

Em toda a teoria de Mesmer sobre o magnetismo animal, a ação da VONTADE e sua PROPAGAÇÃO por um meio material constitui o PONTO CENTRAL de toda a teoria. VONTADE E PENSAMENTO PROVOCAM VIBRAÇÕES DE AGENTE GERADOR, o que produz efeito à distância por meio de ondas do meio, que se espalham pelo espaço.

Mesmer partiu da teoria cogitada por Newton, onde o movimento animal (isto é, os movimentos musculares) é provocado por vibrações do meio, excitados pelo cérebro pelo poder da vontade, propagados pelo meio de fibras sólidas muito tênues, transparentes, uniformes dos nervos para os músculos, para contraí-los e dilatá-los.

E esse, também, é o conceito da Doutrina Espírita. Segundo Kardec, em A Gênese, de 1868, o fluido perispiritual é o traço de união entre Espírito e Matéria. Durante sua união com o corpo, é o veículo do pensamento do Espírito para transmitir MOVIMENTO ÀS DIFERENTES PARTES DO ORGANISMO, os quais atuam SOB O IMPULSO DE SUA VONTADE, e para REPERCUTIR NO ESPÍRITO AS SENAÇÕES PRODUZIDAS PELOS AGENTES EXTERNOS. Tem por fios condutores os nervos.

De acordo com a ciência do magnetismo animal A CURA não ocorre por ação de uma substância, mas pela SINTONIA, isto é, CONCORDÂNCIA ENTRE DUAS VONTADES, a do magnetizador e a do paciente, motivando a FORÇA NATURAL DO ORGANISMO para restabelecer a SAÚDE. Esse é o princípio essencial. Entre o Espiritismo e o Magnetismo o laço de união fundamental é a TEORIA DA VONTADE. Em 1861, Kardec afirmou que a vontade desempenha papel capital em todos os fenômenos do magnetismo. A vontade participa não como um ser, uma substância ou uma propriedade da matéria, mas, como um atributo do espírito, o ser pensante encarnado ou errante.

A faculdade de cura se explica pela ação do Espírito sobre a matéria elementar. Até certo limite, o Espírito pode lhe modificar as propriedades.

A compreensão do passe nos dias atuais não é condizente com a teoria, observação, experimento e práticas do magnetismo animal de Mesmer. Isso se explica em razão de que alguns magnetizadores se diziam seus discípulos. No entanto, defendiam posições diferentes.

Um deles, DELEUZE, não possuindo conhecimento de conceitos da Física, como o de potencial de força, não abordava o assunto no sentido dos debates entre movimento ondulatório e mecânico. Deleuze, afirmava que os efeitos produzidos são unicamente devidos à natureza, cuja ação é reforçada pela ação do magnetizador.


LAFONTAINE, um magnetizador que fazia oposição à união entre magnetismo e Espiritismo, apoiado pela Igreja, defendeu a teoria do fluindo vital. Esse e outros magnetizadores foram denominados FLUIDISTAS. Nunca viram ou experimentaram pela observação tal teoria, mas, combatiam a ideia de cura baseada na TEORIA DA VONTADE. Para estes, o fluido vital era a CAUSA dos EFEITOS MAGNÉTICOS.

O fato é que o caminho contrário ao proposto por Mesmer se dava em razão de que a comunidade científica das ciências naturais não aceitavam quaisquer questões psicológicas. Lafontaine preferiu negar a verdade para que o magnetismo fosse aceito pela comunidade científica. Algo parecido com o que ocorreu com Galileu sobre o fato de a Terra girar. Por outro lado, Mesmer faz parte do grupo dos que não abandonam a verdade, como é o caso de Giordano Bruno.

Em suma, Lafontaine negava o fenômeno mediúnico. Dizia que a natureza é a do sonambulismo e afirmava não existir comunicação com o mundo dos Espíritos, visto que essa era impossível. Na opinião dos magnetizadores fluidistas materialistas, afastando os conceitos de vontade, alma e pensamento, a ação mecânica e curativa de uma substância acumulada pelo magnetizador é transmitida ao paciente, que a absorve.

Esta é a TEORIA DA SUBSTÂNCIA MATERIAL baseada na Teoria do Fluido Vital de Claude Nicolos Le Cat, que estudou as sensações nos amputados. 

O seu método de pesquisa era a observação, a imaginação e a produção de hipóteses.


Importante ressaltar como e porque se usava a expressão FLUIDO. Essa ideia surgiu para explicar os fenômenos observados repetidamente, considerando a comunicação à distância. Essa comunicação ocorria por “algum meio”. E, a esse, deram o nome de FLUIDO. É daí que surgem os nomes fluido animal, vital, elétrico, etc.

A hipótese fundamental dessa teoria é que a natureza era composta por forças observáveis. Essas forças foram concebidas como SUBSTÂNCIAIS ESPECIAIS. Sua composição era de ÁTOMOS (esferas duras, invisíveis, que possuíam cada uma delas propriedades das diferentes forças).

Para explicar o CALOR pensavam que a sensação causada no indivíduo era provocada por essas esferas, as quais formavam a substância denominada FLUIDO CALÓRICO. Laplace e Lavoisier admitiam essa hipótese para explicar TODOS OS FENÔMENOS DA NATUREZA.

Trata-se de uma TEORIA MATERIALISTA. Perceba que o átomo, a substância, o fluído, tudo é matéria, sendo que a sua transmissão, isto é, ALGO FLUINDO, é toda material, nada psicológico. Flui porque é considerada SUBSTÂNCIA. Segundo EINSTEIN, o calor NÃO É substância, nem mesmo sem peso.

No magnetismo animal a natureza física do universo está relacionada com ESTADOS DE VIBRAÇÃO nos diversas fases de um PLENO, isto é, TODA MATÉRIA SEM QUE EXISTAM VAZIOS. Os sentidos humanos apreendem as vibrações dos meios. Para Mesmer o fluido cósmico é o conjunto de todas as séries da matéria, que é dividida pelo movimento interno, ou seja, o movimento das partículas entre si.

O universo, portanto, está fundido e reduzido a uma única massa. A essência do fluido cósmico é sua fluidez. Não possui nenhuma propriedade, não é elástico e não tem peso. É o meio apropriado para determinar as propriedades de todas as todas as ordens da matéria.

HIPÓTESE è FLUIDO VITAL / EXEMPLO: FLUIDO CALÓRICO

Figura 3


As propriedades são consideradas próprias dessa qualidade do átomo.

Figura 4


Para os partidários da teoria do fluido vital, as propriedades curativas estariam relacionadas com a própria natureza dos átomos dessa imaginária substância especial, sendo ela própria a cura. Nesse caso, o processo se dá por meio de uma quantidade de fluido acumulada no magnetizador que seria transferida por meio de EMISSÃO para o paciente carente dessa substância. A ação, nessa hipótese, estaria relacionada apenas com a quantidade que seria transferida. Os defensores da teoria concluem que, sendo algo físico, os atos mecânicos são possíveis, ou seja: acumular, guardar e transferir. ESSA HIPÓTESE É FALSA.

Figura 5



Aplicando a teoria do fluido cósmico (Mesmer) ao magnetismo animal (Mesmer):

HIPÓTESE è FLUIDO UNIVERSAL:

As propriedades dos fluidos estão relacionadas com a ação do magnetizador. O magnetizador GERA o MOVIMENTO. Esse movimento é uma ONDA, que terá a FREQUÊNCIA equivalente ao TIPO DE PENSAMENTO do magnetizador. Sua POTÊNCIA está relacionada com a FORÇA DA VONTADE empregada pelo magnetizador. É o movimento gerado pelo magnetizador que induz a VONTADE do PACIENTE. A causa da cura do paciente está no esforço do seu organismo em promover seu próprio reequilíbrio. 

Figura 6


Resumindo:

Figura 7


Os fatos envolvidos nesse processo são fisiológicos e psicológicos. Enquanto a teoria de Mesmer propõe uma união entre fenômenos do mundo físico e moral para um mesmo agente gerador, que corresponde aos fenômenos observados pelos Espíritos Superiores no mundo espiritual, os teóricos fluidistas derivaram várias práticas formais sem fundamento no fenômeno, tais como:

1. Limite de quantidade de fluido a ser transmitida.

2. Risco de o magnetizador ficar sem estoque, adoecer ou se esgotar.

3. Colocar as mãos do paciente para cima para o fluido penetrar mais facilmente.

4. Pensar no mau direcionamento do fluido, que passaria ao lado do paciente.

5. Cada magnetizador fluidista passa a criar um ‘sistema próprio’.


Percebemos que todas essas práticas formais não passam de rituais. E é nesse sentido que é preciso recordar a ciência filosófico-espírita que não adota NENHUM tipo de ritual ou formalidade.

No Brasil, compreende-se o passe como sendo um fluído vital se desprendendo do magnetizador, projetando-se para fora, sendo dirigido para o corpo do paciente que, o absorvendo, obterá o efeito curativo dessa substância. Essa é a teoria dos magnetizadores fluidistas do século 19. Mas, não é essa a teoria de Mesmer.

Os princípios do magnetismo animal são diferentes. Além disto, a compreensão do passe no Brasil é diferente do ensino dos Espíritos na obra de Kardec. É preciso lembrar, uma vez mais que a Doutrina dos Espíritos possui caráter progressivo. Não basta ler uma obra e pensar que já sabe o que é e como é alguma coisa. É necessário saber o que foi dito pelos Espíritos Superiores, o que foi objeto de experimento de Allan Kardec e o que está registrado nas obras Espíritas.

Figura 8

Os defensores da corrente fluidista (a mesma defendida no Brasil) deixam de lado o princípio espiritual, quando não o negam absolutamente. Para essa corrente tudo se relaciona com a ação do fluido material e, por isto, estão em oposição de princípios com os espíritas.

Na RE de 1867, Kardec explicou que os magnetizadores fluidistas imaginam os efeitos do magnetismo como uma ação de um fluido fisiológico material, sem relação nenhuma com a alma.

O magnetismo animal de Mesmer não promoveu a teoria do fluido nervoso vital ou magnético, que se desprende do nosso corpo, projeta-se para fora e transporta-se em caso de necessidade através do espaço.

Para saber mais sobre o fluído cósmico universal e como se passam os fenômenos no mundo espiritual, bem como conhecer o papel da vontade e do pensamento no processo de cura, de acordo com a prática espírita e com o ensino dos Espíritos Superiores, é preciso estudar a 2ªParte do Livro dos Médiuns, especialmente o capítulo 8, Laboratório do Mundo Invisível, além do capítulo 14, os fluídos, de A Gênese de 1868.

Uberaba-MG, 22/12/2021.
Beto Ramos

Fonte de pesquisa principal:
FIGUEIREDO, Paulo Henrique de. AUTONOMIA – A história jamais contada do Espiritismo. São Paulo: FEAL, 2019.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente. Debatemos sem disputar.

DESTAQUE DA SEMANA

O AGENTE MORAL, SUAS PAIXÕES E VÍCIOS.

  Retomando a ideia a partir do nosso último artigo, é importante ter sempre em mente que o s caracteres humanos não são imutáveis . T odos ...

MAIS VISITADAS