Seguidores

segunda-feira, 19 de julho de 2021

CRÍTICA DE ALLAN KARDEC À CIÊNCIA ECONÔMICA

Os incautos militantes da sanha em tornar o Espiritismo neutro, como se não contivesse teoria e formasse um grande corpo de Doutrina, defendem questões que beiram o ridículo.

Allan Kardec, comentando sobre a Lei de Caridade, citada pelos Espíritos na resposta às questões 685 e 685.a de O Livro dos Espíritos, curiosamente, fala sobre o trabalho, o emprego e o direito ao repouso na velhice.

Ultimamente, o Brasil experimentou a edição de um conjunto regras e normas que parecem destoar daquilo que lemos e compreendemos ser o pensamento de Allan Kardec.

É nesse sentido que compartilhamos a integra DA NOTA DE ALLAN KARDEC:

"Não basta se diga ao homem que lhe corre o dever de trabalhar. É preciso que aquele que tem de prover à sua existência por meio do trabalho encontre em que se ocupar, o que nem sempre acontece. Quando se generaliza, a suspensão do trabalho assume as proporções de um flagelo, qual a miséria. A ciência econômica procura remédio para isso no equilíbrio entre a produção e o consumo. Esse equilíbrio, porém, dado seja possível estabelecer-se, sofrerá sempre intermitências, durante as quais não deixa o trabalhador de ter que viver. Há um elemento, que se não costuma fazer pesar na balança e sem o qual a ciência econômica não passa de simples teoria. Esse elemento é a educação, não a educação intelectual, mas a educação moral. Não nos referimos, porém, à educação moral pelos livros e sim à que consiste na arte de formar os caracteres, à que incute hábitos, porquanto a educação é o conjunto dos hábitos adquiridos. Considerando-se a aluvião de indivíduos que todos os dias são lançados na torrente da população, sem princípios, sem freio e entregues a seus próprios instintos, serão de espantar as consequências desastrosas que daí decorrem? Quando essa arte for conhecida, compreendida e praticada, o homem terá no mundo hábitos de ordem e de previdência para consigo mesmo e para com os seus, de respeito a tudo o que é respeitável, hábitos que lhe permitirão atravessar menos penosamente os maus dias inevitáveis. A desordem e a imprevidência são duas chagas que só uma educação bem entendida pode curar. Esse o ponto de partida, o elemento real do bem-estar, o penhor da segurança de todos”.


Apesar da obviedade da dissertação, lembramos que os imprevidentes e os desordeiros que não possuem senão a educação dos livros (por vezes nem esta) citados por Kardec são os condutores da ciência econômica e da política que aplica o pensamento econômico conforme a ideologia política, amplamente demostrada na prática que desconhecem a mencionada Lei de Caridade. Por último, para quem não compreendeu, a expressão bem-estar significa: bem-estar social, principalmente quando acompanhada da expressão "garantia da segurança de todos".

Trata-se de um grande convite à reflexão!


Uberaba-MG, 19 de Julho de 2021.
Beto Ramos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente. Debatemos sem disputar.

DESTAQUE DA SEMANA

OBJETO E CONTEÚDO DA OBRA O CÉU E O INFERNO DE ALLAN KARDEC

Segundo Allan Kardec, o leitor da obra O Céu e Inferno irá encontrar no seu título o objeto que será estudado. Apelidamos o livro de O céu e...

MAIS VISITADAS