Seguidores

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

DESEJO E VONTADE SÃO A MESMA COISA?

               


Segundo Spinoza, o filósofo, "não é porque uma coisa é boa que a desejamos, mas, porque a desejamos [a coisa] ela nos parece ser boa".

Ao introduzir o leitor nessa reflexão, desde já, vamos compreender que, ao se falar em Espiritismo, as palavras DESEJO e VONTADE cumprem o seu papel e estão em conformidade com a advertência dos Espíritos quanto a 'nos entedermos quanto às palavras'.

Avançando nessa instrução, eu diria que, para entender é preciso conhecer. O fato é que nós costumamos criar dificuldades quando elas, definitivamente, não existem. É o caso de impormos em 'nosso vocabulário' sinônimos onde eles não existem (ou, simplesmente, não deveriam existir em razão da confusão que provocam).

Não é porque uma definição 'aparece' em um dicionário que devemos fechar os olhos e 'crer cegamente' que o significado 'resolveu' os problemas do entendimento e da compreensão, ambos, processos intelectivos. É um pouco sobre isso que vamos tratar.

Cumpre, todavia, em princípio esclarecer que o substantivo masculino DESEJO possui multiplicidade de sentidos, isto é, trata-se de uma palavra é polissêmica. No entanto, para a nossa investigação vale a pena capturar os sinônimos da expressão desejo em nosso léxico (língua e dicionário). Desejo, então, é tratado como propósito, anseio, sofreguidão, libido, ambição, avidez, cobiça, sede, objetivo.

Por outro lado, temos expressões vocabulares que são tratadas como o contrário de desejo. São elas: isenção, modéstia, desapego, desinteresse, generosidade, despretensão.

Desta maneira, vamos sugerir que a palavra desejo faz muito sentido quando a conectamos com a ideia de IMPULSO.

Além disto, pela observação das expressões que possuem significado contrário, a palavra desejo faz mais sentido ainda quando a afastamos da ideia de RAZÃO.

Pois bem. O problema surge quando, para explicar o desejo, afirmamos que ela se refere a uma ação ou efeito de desejar, de querer ou de possuir vontade. É nesse ponto que propomos essa reflexão. Nosso objetivo é demonstrar que  há diferença entre vontade e desejo. É necessário, então, compreender essa diferença capital.

Ao pesquisar sobre o substantivo feminino vontade encontramos como um de seus sentidos que se trata de um sentimento que leva uma pessoa a fazer alguma coisa, a buscar seus objetivos ou buscar os seus desejos.

Ora, se a vontade me conduz a buscar os meus desejos, a própria definição mostra que são duas coisas distintas.

Entendemos que a VONTADE está relacionada com a capacidade do indivíduo de escolher entre as opções que possui e sobre as quais já amealhou algum entendimento. Nesse sentido, a VONTADE se materializa na FACULDADE DE FAZER OU NÃO FAZER DETERMINADAS AÇÕES.

Você percebe assim, com mais clareza, que a VONTADE está no campo da RAZÃO. A razão pura é aquela que não foi (ou deixou de ser) contaminada pelos desejos e pelos instintos.

A VONTADE ESTÁ NO CAMPO DO CONHECIMENTO ESCLARECIDO, que superou o campo da intuição e do mero entendimento. Trata-se da capacidade de observar, planejar, de criar alternativas e de resolver problemas.

O DESEJO está ligado à IDEIA DE SATISFAÇÃO DA PAIXÃO OU DO PRAZER. Nessa reflexão o desejo está mais próximo do INSTINTO, um IMPULSO interior que provoca a execução de atos inconscientes. Esses atos são praticados devido às necessidades do momento.

Como ensina a filosofia, o instinto (ou impulso interior) nada mais é que uma força que se dirige a um fim. Esse fim, ou objetivo, é uma fonte de satisfação (consciente ou inconsciente), às vezes até reprimidapara o ser que o experimenta. 

O desejo é uma necessidade instintiva do corpo. A vontade é uma decisão deliberada que representa uma ação vigorosa e determinante da mente sobre o corpo. Essa decisão é baseada na consciência, na sabedoria e na razão. A VONTADE, como fruto do CONHECIMENTO ESCLARECIDO, compreende a ocasição em que afloram os desejos e os instintos e os dirige.

O Espiritismo tem como base o princípio da evolução perpétua e continua do Espírito. Esse, foi criado por Deus simples e ignorante. A evolução do Espírito na fase humana começa, portanto, com a nulidade moral, mas perfectível e dotado de atributos.

Essas faculdades, ou potencialidades do Espírito são: instinto, pensamento, inteligência, livre-arbítrio e vontade. Todos esses atributos tornam o Espírito apto a intuir, imaginar, conhecer, entender, julgar, saber e compreender.

A Doutrina Espírita supera a questão meramente corporal e ensina que o Espírito imortal é o titular de todos esses atributos que parte da ciência conferia somente à matéria. Nesse sentido, o processo de aquisição do conhecimento e a própria evolução ocorre por meio das sucessivas reencarnações.

Nenhum dos atributos do Espírito são utilizados com todo o seu potencial e plenamente. À medida que a evolução do Espírito ocorre, eles são desenvolvidos.

Para refletir sobre isso vamos trazer algumas afirmações de Allan Kardec sobre as Diferentes Ordens de Espíritos, quanto à categoria dos Espíritos segundo suas três grandes divisões ou Escala Espírita, quando trata do tema "Dos Espíritos", na Segunda Parte, Capítulo 1 (O Livro dos Espíritos, Questão 100):

"Os Espíritos, em geral, admitem três categorias principais, ou três grandes divisões:

a) Na última, a que fica na parte inferior da escala, estão os Espíritos imperfeitos, caracterizados pela predominância da matéria sobre o espírito e pela propensão para o mal;

b) Os da segunda se caracterizam pela predominância do espírito sobre a matéria e pelo desejo do bem: são os bons Espíritos.

c) A primeira, finalmente, compreende os Espíritos puros, os que atingiram o grau supremo da perfeição.

Mais à frente, na Questão 101, veremos que os Espíritos da Terceira Ordem ou Imperfeitos se caracterizam por todas as paixões, que são consequências das imperfeições (ignorância, orgulho e egoísmo), os quais possuem a INTUIÇÃO, mas não possuem COMPREENSÃO e a sua INTELIGÊNCIA pode ou não se aliar à maldade e à malícia. Em alguns deles há, inclusive, mais falta de reflexão sobre as coisas do que a própria maldade. A matéria predomina sobre o Espírito, o qual está mais próximo do INSTINTO e, ainda, muito longe da razão.

A Segunda Ordem ou Bons Espíritos, são caracterizados por qualidades para o bem segundo o que tenham adquirido nas áreas da ciência, da sabedoria e da bondade. Saber e qualidades morais já aparecem naqueles que se adiantaram mais nessa classe. Mas, como mostram os Espíritos, DESEJAM O BEM, pois, ainda apresentam hábitos, manias e lingugem, etc., próprias de Espíritos em evolução.

Finalmente, na Primeira Ordem ou Espíritos Puros vamos encontrar aqueles sobre os quais a matéria NÃO EXERCE NENHUMA INFLUÊNCIA. São aqueles que já atingiram SUPERIORIDADE INTELECTUAL E MORAL ABSOLUTA em relação aos demais Espíritos das outras ordens. São portadores da mensagem de Deus, comandam os Espíritos que lhes são inferiores e são gratos e felizes com suas tarefas e missões. Parece-nos que superaram o DESEJO DO BEM, pois, REALIZAM O BEM PELO BEM por atos de sua própria VONTADE, guiada pelo ato do dever.

Não é difícil, agora, compreender a diferença entre DESEJO E VONTADE.

Uberaba - MG, 09 de Agosto de 2021 (modificado em 11/08/2021 - 16h00).

Beto Ramos.

BAIXE OS SLIDES AQUI.

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigado Lauro, seu elogio é muito importante e nos traz, acima de tudo, responsabilidade. Gratidão imensa.

      Excluir
  2. Conforme o Espírito desenvolve o intelecto-moral, vai adquirindo capacidade de controle sobre si mesmo. Com a moral e inteligência sempre crescente, o Espírito, vai superando a influência que a matéria lhe envolve, usando a inteligência (razão), assim, vai aprendendo a controlar seus instintos (desejos), se colocando acima das influências materiais. Atingindo ao estado de Puro Espírito, este tem total controle da vontade, mesmo estando encarnado, não está mais sujeito a influências do mundo físico, pois que tem posse plena da Vontade Esclarecida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Permita-me comentar o seguinte: A moral, para o Espírito, é o ATO DO DEVER. Portanto, a ampliação do alcance dos ATRIBUTOS DO ESPÍRITO é contínua e perpétua na sua evolução. Criado simples e ignorante, o Espírito está com NULIDADE MORAL. Por meio da encarnação, usando os sentidos físicos, o Espírito se relaciona com o meio. O atributo INSTINTO juntamente com o atributo INTELIGÊNCIA permite conhecer e PENSAR (outro atributo). Nesse período, regido pelo instinto, o Espírito faz uso do atributo LIVRE-ARBÍTRIO. Mesmo impulsionado pelo instinto, o Espírito faz escolhas entre as necessidades básicas. Nesse período ele possui DESEJO, pois está adquirindo conhecimento sobre tudo (ele vai desejar o que LHE PARECE ser uma coisa boa, ainda que não seja). À medida que supera o plano da INTUIÇÃO e começa a ENTENDER o próprio CONHECIMENTO ADQUIRIDO é que estará se iniciando na RAZÃO. Sua MORAL, portanto, não mais NULA, mas já surge timidamente. A partir do momento em que guia o seu livre-arbítrio pelo ato do dever, é que está esclarecendo a RAZÃO (agora ele não escolhe algo porque lHE PARECE BOM, ele escolhe algo PORQUE SABE QUE É BOM). É a razão pura, esclarecida, isto é, aquela que não se permite atingir pelo instinto e nem pelos desejos é que se transforma em VONTADE. Esta compreendida como decisões firmes, baseadas no uso de todos os potenciais do Espírito, que vaio escolher o melhor para o bem de todos. São as ideias que estamos construindo. Obrigado pelo comentário. Abraços.

      Excluir

Comente. Debatemos sem disputar.

DESTAQUE DA SEMANA

O ATO DO DEVER MORAL E A CARIDADE DESINTERESSADA

Quem não tem dúvidas, certamente, é porque não estuda. E, por falar nisto, vejamos quantas perguntas estão presentes apenas em uma proposta ...

MAIS VISITADAS