Seguidores

domingo, 28 de novembro de 2021

O MODELO DE EDUCAÇÃO MORAL PARA APRENDER A APRENDER

 


Você já parou para pensar sobre a sua mente? Como ela funciona? O que é? E como as coisas se apresentam para cada indivíduo em particular?


Não espere respostas simples para questões complexas. Nesse campo de indagações é sempre possível produzir uma variedade de contradições. Talvez, seria bom advertir: não espere respostas. Se assim é, convido para refletirmos juntos.

Podemos afirmar, com certeza, que a mente humana é ativa e não um mero recipiente que se possa preencher com informações passivamente.

O ser humano possui a qualidade única do autorreconhecimento. Como indivíduo, olha para o mundo promove e uma série incontável de relações, correlações, observações, análises, comparações, julgamentos, dúvidas, sistematizações, perguntas, problematizações (ufa!), etc.

A mente humana é organizada para sistematizar o que o ser humano vivencia, partindo de intuições, instituindo categorias, atribuindo sentido a todos os dados que o inundam e que chegam ininterruptamente por meio dos sentidos físicos.

Talvez por isso Hume, um pensador, afirmou que o conhecimento é construído a partir da experiência vivenciada pelo ser humano por meio dos sentidos físicos. No entanto, Kant, outro filósofo, afirmou que sem o aparato mental 'a priori' (ou inato), que dá início a todo o processo da experiência, a própria experiência seria impossível. O ser humano, então, cria a própria vivência do mundo.

Assim sendo, existem conceitos aplicados que são o resultado de experiências passadas (do aprendizado, digamos assim). Mas, sem dúvida, há outros que PRECEDEM essas experiências. São conceitos e ideias 'a priori', anteriores, também denominadas INATAS, pois, nascemos com elas (e.g. noções de espaço e tempo).

Pode-se dizer que as estruturas mentais do ser humano precedem as experiências. O que vale indagar se, no mundo da matéria, vivenciamos as coisas como elas são ou como aparecem para nós? Anote aí que vemos e interagimos com as coisas dentro do limite tempo e espaço. Deus, por exemplo, não está limitado pelo espaço, nem pelo tempo.

Hegel afirmou que as ideias nascem e evoluem gradualmente na direção de um sentido melhor e de uma compreensão maior da realidade.

É lícito questionar: todos os indivíduos que estão sendo bombardeados pelas ideias e conceitos possuem a mesma maturidade intelectual?

Vale dizer que uma ideia não é algo estático, nem fora do tempo, aguardando ser descoberta. Uma ideia provém de conhecimento, o qual é um processo cultural, histórico e dinâmico.

Historicamente, houve algúem que não gostou nada dessa coisa de 'mundo das ideias' e afirmou que o mundo dos fenômenos é ilusão, pois, o ser humano é controlado por seus desejos, que comanda tudo. Trata-se de Shopenhauer. Para ele, os seres humanos querem dar significado à propria existência (como algo superimportante), mas no fim possuem a só urgência de satisfazerem seus desejos.

Discordamos. Quando se fala em mente, logo se está pensando em consciência e liberdade. É aí que se busca descobrir ou construir um conceito ou significado de existência. Em um mundo de incertezas, o que dá sentido à vida são as escolhas feitas pelo indivíduo.

Cada um, todavia, será envolto nas próprias verdades (subjetivas). Isso leva cada um a agir, fazendo ou deixando de fazer uma coisa ou outra. Tudo baseado na sua intrínseca visão de mundo. 

A cosmovisão é o resultado de como o indivíduo vivencia suas experiências. Essa vivência se ampara nas construções mentais que, por sua vez, consideram as ideias inatas e as aprendidas [apreendidas?].

Se a personalidade sofre a influência de suas ideias inatas, o indivíduo não é resultado de uma só vida. Se já viveu traz o resultado de suas experiências em vários campos e é capaz de aprender em razão de novas vivências. Desse modo, pode ser influênciado tanto para o bem quanto para o mal.

Haveria, pois, a possibilidade de que todo indivíduo possa reconhecer essa sua 'dupla existência'? Numa palavra, os conflitos sociais, advindos dessa variedade de concepções de mundo, poderiam ser paulatinamente solucionados?

A resposta é positiva. Essa tentativa já foi implementada e obteve sucesso enquanto durou. O Espiritualismo Racional propôs um modelo educacional visando a moral da sociedade. Partiu da mudança de paradigma universitário, promovendo a formação de professores, no sentido de chegar à educação de jovens.

O método científico propõe como bases desse processo educativo:

1. Ensinar a pensar; objetivando formar o pensamento racional; ofertando a disciplina LÓGICA;

2. Ensinar a aprender; objetivando que o indivíduo se encontre com a verdade presente em sua consciência; ofertando a disciplina MORAL;

3. Ensinar a ser criativo; objetivando despertar o sentimento do bem e do belo; ofertando a disciplina ESTÉTICA.

Enfim, a proposta é de construção coletiva: aprender a aprender. Trabalhar, verdadeiramente, a causa dos conflitos sociais.

Nesse modelo não pode haver uma dominação conceitual impositiva. É preciso respeitar a liberdade e a experiência individual. A ideia é que cada um possa investigar procedendo uma análise, estabelecendo fatos para remontar as causas.

O Espiritismo moderno complementa o movimento espiritualista proclamando o elemento espiritual, após constatá-lo com clareza e esclarecendo sem evasivas. Compreende-se, assim, que para a Doutrina Espírita a evolução moral é um passo natural do desenvolvimento da humanidade.

Beto Ramos, Uberaba-MG, 28/11/2021.

Fonte principal de pesquisa:
FIGUEIREDO, Paulo Henrique de. AUTONOMIA - a história jamais contada do espiritismo. São Paulo: FEAL, 2019.

4 comentários:

  1. Parabéns, ótimo artigo. Excelente reflexão. São argumentos relevantes.

    ResponderExcluir

Comente. Debatemos sem disputar.

DESTAQUE DA SEMANA

OBJETO E CONTEÚDO DA OBRA O CÉU E O INFERNO DE ALLAN KARDEC

Segundo Allan Kardec, o leitor da obra O Céu e Inferno irá encontrar no seu título o objeto que será estudado. Apelidamos o livro de O céu e...

MAIS VISITADAS